Parceiros da Noite

[rating:4]

Hollywood pode até perdoar um fracasso, mas não dois – e muito menos quando esta segunda chance afunda após gerar enorme repercussão negativa. Pois foi exatamente isso o que ocorreu com William Friedkin. O garoto de ouro da geração chamada de New Hollywood, vencedor do Oscar de direção aos 36 anos (“Operação França”), começou a ter o prestígio ameaçado com o desastre de “Comboio do Medo”, um filme que custou quase dez vezes mais do que havia sido previsto. Mas foi com o thriller “Parceiros da Noite” (Cruising, EUA, 1980) que Friedkin assinou o próprio rebaixamento para o terceiro escalão da indústria do entretenimento, quase enterrando a própria carreira.

Culpa dos movimentos GLS. Antes mesmo de o filme ser lançado, ativistas se lançaram em uma campanha agressiva contra a obra. Todo mundo imaginava que um filme sobre um serial killer que matava homossexuais era fruto político da visão moralista e conservadora da indústria do cinema. Colunistas famosos de jornais importantes, como o Village Voice, aderiram à campanha. Ativistas a favor dos gays faziam panfletagem contra o filme nas filas dos cinemas. “Parceiros da Noite” atingiu até mesmo Al Pacino, o ator mais quente daquele momento, cuja carreira desceu ladeira abaixo (ele só viria a se recuperar do golpe quase dez anos depois). Tudo isso porque se achava que o longa-metragem apresentava uma visão preconceituosa e homofóbica da subcultura gay.

Verdade ou mentira? Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Quem conhece a obra de William Friedkin sabe que ele sempre se interessou por personagens impulsivos, atormentados, torturados, com uma queda pelo sofrimento auto-imposto – não esqueçamos que Popeye Doyle, o tira durão de “Operação França”, gostava de apanhar de mulher, e de ser algemado à cama por prostitutas. O gosto pela dor não apenas marca presença forte neste filme, mas é absolutamente adequado ao tipo de vida levado pela fauna humana que Friedkin está interessado em radiografar. E a radiografia do submundo gay aparece, ainda que filtrado por uma visão nitidamente espantada, de modo acurado. A produção é irregular, mas funciona como thriller e como estudo de personagem.

Acima de tudo, sobressai o cuidado meticuloso que o diretor dedica à reconstituição do ambiente sórdido, sombrio e cheio de excitação da cena gay de Nova York. Friedkin não poupou esforços para ser fiel à realidade: filmou em boates homo de verdade e contratou freqüentadores para fazer figuração. Tomou o cuidado de orientá-los a não fazer nada explícito diante das câmeras, mas mesmo assim a carga homoerótica de “Parceiros da Noite” é enorme. Friedkin abusa dos longos travellings laterais para apresentar o espectador a um universo exótico, repleto de couro negro, correntes e códigos visuais esquisitos. Numa das melhores cenas, o vendedor de uma loja de roupas explica ao personagem de Pacino que a cor de um lenço, e a posição em que ele é colocado na roupa, podem denunciar as preferências sexuais de quem usa a peça.

A história é bem simples. Convencido da existência de um assassino em série que mata homossexuais e desmembra corpos, jogando-os no mar, o chefe da polícia decide infiltrar um detetive no submundo gay. Steve Burns (Al Pacino) é escolhido por ter o mesmo tipo físico das últimas duas vítimas. Ele hesita. É heterossexual, tem namorada firme (Karen Allen) e não conhece nada daqueles lugares. Sabe, contudo, que a chance de galgar a hierarquia da polícia é alta, caso tenha sucesso na missão. O que não sabe é que a caçada ao matador vai ser mais dura e mais longa do que espera – e que ninguém normal sai intacto de uma descida ao inferno. Esta viagem soturna é acompanhada pela magnífica música atonal – uma espécie de free jazz from Hell – do brasileiro Egberto Gismonti

William Friedkin se inspirou num romance de sucesso, escrito por Gerald Walker, para escrever o roteiro. Manteve o esqueleto narrativo do caso, mas optou por uma abordagem bem diferente, retirada de longas conversas com um ex-policial que o havia assessorado na época de “Operação França”. As experiências deste tira mostravam como é difícil a vida de detetives infiltrados no submundo. Assim, o cineasta optou por se afastar da narrativa clássica – a perseguição e a conseqüente captura do assassino – e, aos poucos, se concentrar no modo lento, quase imperceptível, como a experiência-limite vai alterando a visão de mundo e os hábitos do policial, fazendo-o colocar em dúvida a própria sexualidade, e com isso o próprio futuro.

Para enfatizar a abordagem incomum, Friedkin optou por revelar a identidade do criminoso logo no início e adotou a estratégia de filmar os assassinatos em ambientes cada vez mais escuros, de modo que paulatinamente se torna cada vez mais difícil identificar o rosto do matador. Este detalhe, ressaltado pela extraordinária fotografia de James Contner (repare na iluminação das tomadas que mostram o movimento das sombras na madrugada do Central Park), acaba se mostrando crucial para a compreensão do inesperado final do longa-metragem.

Por outro lado, a lenta mudança de foco narrativo causa problemas ao ritmo. Em certo momento, quando fica evidente certo desinteresse do filme pela trama policial, a investigação de Burns é quase relegada a segundo plano. Ele a retoma de maneira brusca e inesperada, com a solução do caso praticamente se atirando na frente dele. Ainda assim, o filme funciona. E é importante mencionar, ainda que possa parecer óbvio, a ótima atuação de Al Pacino, em um papel corajoso e que tem uma característica incomum para personagens dele – Steve Burns não sabe articular frases muito bem, e passa boa parte do tempo calado. Belo filme.

Por causa do tema polêmico, a Warner levou dez anos para tomar coragem e lançar “Parceiros da Noite” em DVD. A edição especial norte-americana traz o filme restaurado, com ótima qualidade de áudio (Dolby Digital 5.1) e vídeo (widescreen 1.85:1 anamórfico). Há ainda um comentário em áudio do diretor e um documentário retrospectivo (43 minutos). No Brasil, o DVD carrega o selo da Lume, e não tem os extras.

– Parceiros da Noite (Cruising, EUA, 1980)
Direção: William Friedkin
Elenco: Al Pacino, Paul Sorvino, Richard Cox, Don Scardino
Duração: 106 minutos

Anúncios

34 comentários em “Parceiros da Noite

  1. Olá Rodrigo. Sempre leio suas criticas. Acho que são mito bem elaboradas e através delas já comprei vários filmes para minha coleção. Só queria fazer uma pergunta: Esse filme Parceiros da Noite com Al Pacinto foi lançado em DVD mesmo??? Eu já procurei em vários lugares e não encontro. Até li em outros sites e a informaçao é de que este filme ainda ao foi lançado em DVD no Brasil. Estou à procura deste filme faz tempo, juntamente com SERPICO também estrelado por Al Pacino. Obrigado. Abraços.

    Curtir

  2. parabéns pela resenha deste filme, assisti no cinema, há muito, muito tempo, não lembrava direito da história mas gostaria de ter o dvd, espero que saia no Brasil, se não vou procurar o importado. valeu e parabéns.

    Curtir

  3. Eu acho esse filme muito bom! Só que não é pra qualquer público. Quem está acostumado a assistir filmes-pipoca não curtirá o enredo. Isso porque o filme adota uma abordagem diferente: ao invés de se concentrar naquele famigerada cadência da investigação policial truncada, que culmina num desfecho onde dizemos: “-Oh, esse cara é o assassino!”, William Friedkin focaliza o mundo e os tormentos do personagem principal, como bem explicou o Rodrigo. É um filme que te deixa com muitas perguntas ao final, independentemente da captura do serial killer. Algo, inclusive, bem parecido com o que Kubrick fez em “O Iluminado”: Deixa o expectador tirar suas próprias conclusões. Tenho esse filme convertido em DVD, de um VHS que comprei de uma locadora. Vira e mexe assisto novamente, tentando capturar alguma deixa que me permita inferir o que realmente aconteceu no psiquismo do detetive encenado por Pacino.

    Curtir

  4. Em 1980 eu era apenas um bebe! Mas dez anos após tive oportunidade de assistir a esse filme! Realmente o filme é eletrizante em alguns momentos eu até diria que é excitante ver o Al pacino com 30 anos a menos!! Mas o que de fato me intriga no filme é a cena final: O amigo de Pacino Morto, depois a mulher dele vestindo aqueles acessorios sadomaso e ele fazendo a barba. Ele era bissexual? Se descobriu bissexual? Ou ainda no “fundo” ele era o assassino das “meninas”?

    Curtir

  5. Gostaria muito de obter uma copia do Parceiros da Noite .voce nao me faria uma e me venderia.moro no Rio.
    Eu quero muito o filme .
    Me responda por favor
    desde ja’ agradeco imensamente,
    Jorge Nova

    Curtir

  6. A respeito do assassinato do amigo e vizinho, acho que quem matou foi o namorado, o Greg, por ciumes, quem sabe. E com certeza o personagem do policial se torna confuso com a sua sexualidade, mas não a ponto de se tornar bisexual… a exposição que ele teve a esse mundo gay o fez se sentir meio estranho a seu proprio respeito, mas acho q não a ponto de se aventurar no mundo homosexual.

    Curtir

  7. Ola Rodrigo
    Não gostei do filme só mostrar gays prosmiscuos poderia ter um casal gay com relação estável, as cenas nos bares, são super reais, a atuação de Pacino como sempre arrasando.
    Não acho que aquele cara fosse mesmo o assassino, parecia ser um homem mais forte, sei lá…
    Na cena final, deixa muitas dúvidas, e a cara do Pacino se barbeando e ouvindo o som das roupas de couro que a namorada vestiu, é simplesmente arrebatadora, pque ele parece surpreso e ao mesmo tempo gostando da idéiia. Bom , eu entendi assim. Pra mim quem matou aquele vizinho foi o policial que antes transava com gays na viatura policial.
    Aquela cena onde um negro de cueca e chapéu, ( bizarro) dá um tapa no rosto do personagem do Pacino, achei muito apelativo…que figura é aquela? Credo! kkkk Eu confessaria até o assassinato do Kenedy e do Marin Luther King…
    Mas vale a pena ver o filme, é punk.

    Curtir

  8. Fenomenal !Revi este ontem no TCM e continua mais atual do que nunca.
    A frase do “assassino” é emblemática: “Você me fez fazer isto.”, exprime sem pudores a homofobia ainda presente.

    Curtir

  9. Boa noite, Rodrigo

    Este filme foi exibido ontem (17/07/10) no canal TCM (Sky) e eu o vi parcialmente, porque caí no sono. Uma grande pena. Acredito que este filme e “Um Dia de Cão” foram duas apostas de Pacino que resultaram em sua sólida carreira.

    Fiquei em dúvida apenas sobre o ator que interpretou o assassino. Sempre gosto de consultar o IMDB, mas não consegui identificá-lo. Há vários nomes / personagens no elenco. Você sabe dizer qual é o nome do ator?

    Grata.

    Curtir

  10. Boa noite a todos!
    Realmente, vi este filme recentemente no meu amado TCM e ele me marcou até hoje, tanto que estou pesquisando a respeito na internet e apareceu esta página… Nunca tinha ouvido falar dele antes… é um filme que te faz pensar horas sobre o que realmente ocorreu, principalmente com o personagem do Al Pacino. Porém há algumas cenas emblemáticas – como a que ele está na cama com a namorada e a câmera focaliza o rosto dele no momento em que ela fará sexo oral nele, que demonstra uma perturbação que me fez pensar se ele tb. o fez em algum homem ou algum fez nele? Além disto, quase no final, ele chega na casa dela e vai direto para a pia lavar a boca, lembram? Por último, marcou a cena do vizinho morto: será que ele não teve algo com o policial infiltrado e este o matou pq pensou nas consequências da revelação ao fim do caso? É uma hipótese…? Filme marcante!!! Quem tem o TCM, acompanhe a programação e não perca se for exibido novamente!!!!

    Curtir

  11. O filme não foi tão catastrófico assim para a carreira de niguém, se lembrarmos que Al Pacino faz Scarface 83 e mesmo Friedkin tem um de seus melhores filmes já em 85, Viver e Morrer em L.A.

    Curtir

  12. Você tem razão, Bhakta. Só observo que não usei a palavra “catastrófico”, e acho que o mal que o filme fez às duas carreiras pode ser visto a médio e longo prazo. “Viver e Morrer em LA” é um grande filme, mas já foi feito com orçamento muito menor do que aqueles com que Friedkin estava acostumado a trabalhar (e, sendo polêmico também, atolou de vez o diretor). E Pacino iniciou aqui uma longa e gradual queda de popularidade, apesar da qualidade também inquestionável de “Scarface”. Abraços.

    Curtir

  13. Há anos tenho vontade ver esse filme e não consigo ter acesso a ele. E, como já falaram, o Serpico como mesmo Pacino é outro que nunca consegui ver.

    Rodrigo, o DVD tem legendas em português ou pelo menos em inglês mesmo (lendo consigo entender razoavelmente bem).

    Curtir

  14. Um outro filme do Pacino que acho que não valorizam muito (eu pelo menos não escute muitos comentários) e que eu acho espetacular é o Pagamento Final (Carlito`s Way) com o Sean Penn. Que filme.

    Curtir

  15. Oi, Rodrigo! Também sou um que conheceu este filme muuuuito obscuro (em vários sentidos) no canal TCM. O que mais me chamou a atenção foi a grande atuação de Al Pacino. Muito difícil e corajosa. Fiquei surpreso ao saber por você que ouve uma esfriada na carreira do grande ator por conta de Parceiros da Noite. Então acho que “Sea of Love” (esqueci o nome em português) deve ser fruto destes problemas, não?
    Muitas pessoas se fecham em suas conchas e não aceitam outra visão do mundo. Talvez vendo um espelho? Bom, valeu pelo post!

    Curtir

  16. E um otimo Filme. Simplesmente uma das melhores atuações de pacino, contido, e demostrando uma instabilidade com ele mesmo. Vê esse filme por acaso hj no MAX, e acabei me supreendendo.

    Curtir

  17. O FILME PECA POR TER UMA VISÃO MUITO MASCULINA DA VIDA, A TESTOSTERONA SAI POR TODOS OS PÓROS E LADOS… COMO DIZ UMA MÚSICA: “:HOJE É O DIA DA GRAÇA… HOJE É O DIA DA CAÇA E DO CAÇADOR…”. O FILME VAI DEVORANDO CONVICÇÕES E ESTEREÓTIPOS… NÃO ESTOU USANDO NENHUM JARGÃO HOMOFÓBICO….. MAS É REPULSIVO… MUITA BARBIE JUNTA… A ÚNICA FIGURA MAIS FEMININA QUE VI NO FILME FOI A DO TRAVESTI COM PERUCA LOURA QUE PASSA UMA INFORMAÇÃOZINHA PARA O POLICIAL… O DIRETOR PODIA COLOCAR MENINOS MULHERES CIRCULANDO PELA TRAMA, DANDO GRAÇA E ESPERANÇA AOS SOBREVIVENTES QUE ASSISTEM AO FILME… POIS NÓS TAMBÉM QUASE MORREMOS ENQUANTO VEMOS A HISTÓRIA SE DESENROLAR… NÃO HÁ REDENÇÃO, O CLIMA É DE PESADELO… QUE SAUDADE DO GRANDE PINTOR BRASILEIRO DI CAVALCANTI… FALTA COR E LUZ NO FILME… É ASSUSTADOR! AQUELES POLICIAIS TORTURANDO O RAPAZINHO SUSPEITO DE SER O ASSASSINO? QUERIAM ENCONTRAR O AUTOR DO CRIME A QUALQUER PREÇO… AQUELA ESCUTA DENTRO DO CARRO DOS POLICIAIS… UMA POBREZA..! ..EQUIPAMENTOS DE ESCUTA DE PÉSSIMA QUALIDADE… DEPOIS O BANDO DE HOMENS ARMADOS INVADINDO O PRÉDIO PARA CAPTURAR O PRETENSO ASSASSINO… ACHO QUE O DIRETOR ESTAVA DEBOCHANDO DA NOSSA NOBREZA DE TELESPECTADORES….
    CONFESSO A VOCÊS QUE SENTI MUITO MEDO ASSISTINDO AO FILME! AS SOMBRAS ASSUSTADORAS!
    AL PACINO É UM ÓTIMO ATOR, MAS PREFIRO O AL PACINO DE UM DIA DE CÃO, ASSALTANDO UM BANCO PARA CUSTEAR AS CIRURGIAS DE SEU AMOR TRANSEXUAL…
    QUERIDINHO, QUERIDINHO… EL PACINO! HOMEM E ATOR…
    DESCULPEM TODAS AS BOBAGENS QUE ESCREVI AQUI! O FATO É QUE O FILME PARCEIROS DA NOITE É IMPRESSIONANTE!

    CLÁUDIA.
    RIO DE JANEIRO, JUNHO 2012.

    Curtir

  18. Rodrigo, li em algum lugar que aquela cena final do filme em que o vizinho gay de Steve Burns (Al Pacino) é assassinado não consta do livro que deu origem ao filme.

    Agora, o que o Serial Killer não conseguiu fazer (afinal só matou meia dúzia de homosexuais), a AIDS fêz em proporções infinitamente superiores, a partir do início da década de 80. A propósito, antes da sigla AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome) ser adotada, era usada a sigla GRID (Gay-Related Immune Deficiency).

    Curtir

  19. Não entendi o final… Só depois de ler isto é que comecei a perceber.

    Fica em aberto a identidade do assassino, há 4 hipóteses:

    1- Stuart, apanhado pelo policia, (caso encerrado).

    2 – Greg que matou o namorado de Ted, no final, dando a entender que poderia ser um homicídio de namorados mas também o assassino da história.

    3 – Pode ser o policia da esquadra 6 que foi as prostitutas e que aparece no local do homicídio.

    4 – O protagonista Steve porque no final vê-se que tem a roupa igual à do assassino.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s