Solomon Kane

[rating: 2]

Nos meses que se seguiram ao sucesso avassalador da trilogia “O Senhor dos Anéis”, praticamente todos os grandes estúdios tentaram produzir franquias que aproveitassem o ressurgimento das fantasias de capa e espada, povoadas por criaturas fantásticas e seres sobrenaturais. Os estúdios menores demoraram um pouco mais a entrar na corrida do ouro, mas o fizeram. “Solomon Kane – O Caçador de Demônios” (EUA/França/Reino Unido/República Tcheca, 2009) é produto de uma associação de pequenas produtoras européias que tenta surfar, com certo atraso, na onda dessa febre medieval. Não é preciso mais do que alguns minutos de projeção para que a desconfiança se confirme: o filme não passa de um genérico de qualidade anos-luz inferior ao original.

Curiosamente, o personagem-título surgiu alguns anos antes que J.R.R. Tolkien criasse a Terra Média, nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial. Solomon Kane (James Purefoy) foi inventado pela mente fértil de Robert E. Howard (criador de Conan) e estrelou revistas pulp nos anos 1930, antes de ser deixado de lado durante algumas décadas e ressuscitar para o cinema no século seguinte. Na literatura, ele era um mercenário violento que liderava um exército pirata, especializado em devastar e saquear cidades na África e no Oriente, até ter um encontro sinistro com o demônio, em busca da alma dele. Fugindo da ameaça infernal, ele se refugiava por um tempo num mosteiro, antes de se tornar um peregrino que usava a habilidade na espada para espalhar a fé e combater injustiças. Nada que seja novidade para os fãs desse tipo de personagem.

Convocado para pilotar o primeiro longa-metragem de uma suposta trilogia, o diretor inglês Michael Bassett faz um trabalho burocrático, investindo num roteiro que se limita a recriar a antiqüíssima batalha Bem x Mal sem se preocupar com caracterização de personagens ou com motivações emocionais interessantes. Utilizando uma paleta de cores escuras e explorando uma atmosfera mais sombria do que a média desse tipo de filme, “Solomon Kane” tem efeitos digitais de segunda categoria e aposta num elenco com alguns rostos conhecidos pontuando uma multidão de figurantes vestidos com sobretudos rasgados, chapéus e espadas que parecem surrupiados do set de “Van Helsing”, de 2004 (note como o figurino do herói, com capa e chapéu escuros, lembra bastante as roupas do herói do filme de Stephen Sommers, uma semelhança acentuada pelo porte físico de Purefoy, muito parecido com o de Hugh Jackman).

A trama, escrita como um filme de origem do personagem, focaliza a transformação (abrupta e muito pouco gradual) do ex-pirata num paladino da justiça, mas incorre numa série de deslizes dramatúrgicos típico de produções que desejam parecer maiores do que são. Após uma abertura-padrão que empresta efeitos digitais de “O Retorno do Rei” (mais exatamente da seqüência em que três dos heróis de Peter Jackson convocam um exército fantasma para a luta), o filme mostra a tentativa frustrada de Kane tornar-se um monge e, depois, numa cruzada para salvar uma garota (Rachel Hurd-Wood) das garras do feiticeiro Malachi (Jason Flemyng, escondido atrás de uma máscara). Essa jornada vai levá-lo a um previsível acerto de contas com o passado e também a um novo encontro com as forças sobrenaturais. Nada que você não tenha visto antes com melhor qualidade.

– Solomon Kane – O Caçador de Demônios (EUA/França/Reino Unido/República Tcheca, 2009)
Direção:Michael Bassett
Elenco: James Purefoy, Jason Flemyng, Pete Postlethwaite, Max von Sydow
Duração: 104 minutos

Anúncios

5 comentários em “Solomon Kane

  1. O filme realmente não é ótimo mas é um bom passatempo. Mas não achei os efeitos ruins…inclusive o filme possui algumas partes que assustam um pouco. No geral é um filme bom, inferior aos quadrinhos que eu lia na extinta “Espada Selvagem de Conan” mas divertido.

    Curtir

  2. Pra mim, foi o filme do Van Helsing que se inspirou nas histórias do Solomon Kane, pois não tem nada parecido com o personagem de Drácula de Stoker. Se este filme de Solomon se apoiou, por sua vez, no Van Helsing com Hugh Jackman, talvez… Mas o monstro é uma imitação clara do Balrog do Senhor dos Aneis. Fora isso, achei um filme divertido, um bom filme pipoca.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s