Enxurrada de refilmagens

Março de 2010. O filme argentino “O Segredo dos Seus Olhos” (2009), do diretor Juan José Campanella, fatura o Oscar de melhor produção não-falada em língua inglesa. O prêmio coroa uma carreira internacional vitoriosa e recheada de elogios da crítica. Corta para outubro do mesmo ano. Pouco mais de seis meses depois, a Warner anuncia que fará um remake do longa-metragem, adaptando o enredo para a língua inglesa, transportando a ação dramática para os Estados Unidos. Essa sequência de acontecimentos explicita um fenômeno que começou durante os anos 1980 e vem se tornando cada vez mais comum: as refilmagens de produções estrangeiras, levadas a cabo pelos maiores estúdios de Hollywood.

Os exemplos que confirmam a exacerbação dessa tendência são cada vez mais numerosos. O caso mais evidente tem como protagonista o thriller policial “Os Infiltrados” (2006), responsável por dar a Martin Scorsese o primeiro Oscar de direção da carreira – e, também, por ter sido o primeiro remake de produção estrangeira a receber a estatueta de melhor filme. “Os Infiltrados” faz pouco mais do que duplicar, cena após cena, uma engenhosa trama de espionagem oriunda de Hong Kong e popularizada em “Conflitos Internos”, obra lançada em 2002 que alcançara grande sucesso na Ásia. A trajetória dessa adaptação foi semelhante à seguida por filmes como o franco-holandês “O Silêncio do Lago” (1988), o dinamarquês “Perigo na noite” (1994), o espanhol “Preso na escuridão” (1998), o japonês “O chamado” (2002), o sul-coreano “Oldboy” (2003) e os suecos “Deixe ela entrar” (2009) e “Os homens que não amavam as mulheres” (2009).

Esses são apenas alguns dos títulos mais conhecidos a serem submetidos a uma espécie de tratamento de “americanização”. Via de regra, todos os longas-metragens citados passaram pela mesma experiência: após fazerem grande sucesso de público e crítica em sua região de origem, e assim chamarem a atenção de executivos de Hollywood, eles acabaram tendo os direitos comprados por produtoras norte-americanas. Então, receberam lançamentos em pequena escala dentro dos EUA (exibições restritas no circuito de cinemas alternativos ou venda direta em formatos de consumo caseiro, como VHS e DVD). Em seguida, foram reescritos e refilmados com elenco americano.

Outro aspecto em comum, nesses casos de refilmagem, é que todos os novos roteiros mantêm os aspectos dramatúrgicos da progressão da trama, mas sempre transpõem a ambientação geográfica e cultural para algum ponto dentro do território dos Estados Unidos, além de eliminar da trama todos os aspectos exóticos que possam soar estrangeiros demais para o americano médio. O clima de repressão política na Argentina (pano de fundo de “O Segredo dos Seus Olhos”), a viagem de bicicleta longa feita entre países (quando ocorre um evento crucial da trama de “O Silêncio do Lago”) e o polvo engolido vivo (cena de “Oldboy”) são aspectos retirados dos remakes. Afinal, pelo raciocínio dos produtores, nada disso faria sentido para o público-alvo dessas produções, para quem esse tipo de experiência cultural soa como incompreensível.

Esse raciocínio explica, em parte, um enigma que tem assombrado todos os estudiosos desse fenômeno: por que Hollywood simplesmente não lança os filmes originais, ao invés de perder tempo e dinheiro refazendo as obras, muitas vezes com resultados que copiam plano a plano os originais (caso do austríaco “Funny Games”, filme de Michael Haneke, de 2007, e até mesmo do mitológico “Psicose”, de Alfred Hitchcock, refeito em cores por Gus Van Sant em 1998, numa estratégia equivocada de marketing que quase enterrou a carreira do respeitado diretor independente)? A resposta, no entanto, admite ainda uma série de variáveis que precisa ser considerada.

A principal delas é a rejeição do público americano aos filmes realizados em outras línguas. As estatísticas mostram que de 1980 a 2010, quase 997 longas-metragens de língua não-inglesa foram lançados oficialmente nos cinemas dos Estados Unidos. No entanto, 70% desse total tiveram bilheterias inferiores a US$ 1 milhão, o que faz com que qualquer obra a ultrapassar essa cifra seja considerada um “sucesso” (para filmes em inglês, uma arrecadação inferior a US$ 50 milhões é sempre contabilizada como fracasso). Em 30 anos, somente 24 filmes não falados em inglês ultrapassaram os US$ 10 milhões arrecadados dentro dos EUA (entre eles “O Labirinto do Fauno”, de Guilermo del Toro, e “Diários da Motocicleta”, do brasileiro Walter Salles, ambos vencedores de categorias técnicas do Oscar). Esse número cai para nove se a barreira a ser superada for de US$ 20 milhões. A lista é liderada por “O Tigre e o Dragão” (2000), de Ang Lee – único título da lista a superar os US$ 100 milhões arrecadados – e inclui o italiano “A Vida é Bela” (1998) e o chinês “Herói” (2004) nas três primeiras posições .

Nem sempre foi assim. Nos anos 1960, auge da Nouvelle Vague francesa – e é importante ressaltar que, se os filmes de François Truffaut, Jean-Luc Godard e conterrâneos não chegavam a ser exibidos nas cidades rurais dos EUA, eram extremamente populares entre universitários e junto ao público jovem intelectual de grandes metrópoles das costa oeste (Los Angeles, San Francisco) e leste (Nova York, Miami) –, cerca de 10% da arrecadação financeira do circuito de exibição cinematográfica do país vinha de filmes estrangeiros. Essa cifra havia caído para 7% em 1986, quando o fenômeno das refilmagens realmente ganhou corpo. De lá para cá, o número despencou para menos de 1% em 2009. Em outras palavras: o mercado cinematográfico para filmes não-ingleses nos Estados Unidos vem encolhendo dramaticamente.

Onde estaria a origem para esse encolhimento? Mais uma vez, a resposta vem de aspectos culturais. O star system – tendência natural do público consumidor de cultura popular a transformar uns poucos atores e atrizes em grandes celebridades, cujos rostos familiares atraem mais pessoas para os cinemas do que os elogios da crítica ou o nome do diretor – contribui bastante para que os filmes estrangeiros, carentes de astros, passem despercebidos. O circuito exibidor contemporâneo, com cadeias de entretenimento que procuram oferecer menos opções de filmes para, assim, maximizar o lucro com as produções de maior potencial, também prejudica os filmes mais obscuros. Por fim, há uma questão cultural importantíssima que é o obstáculo final às produções estrangeiras em Hollywood: as legendas.

A Motion Picture Association of America (MPAA) calcula que sete em cada dez espectadores dentro dos Estados Unidos não assistem a filmes legendados. Acostumadas a ver a produção cinematográfica maciça ser falada na própria língua, essas pessoas não se sentem confortáveis para ler legendas. Há um componente cultural nessa rejeição – a força do hábito – mas, de todo modo, existe também um componente puramente cognitivo: ao ter que dividir a atenção com a leitura de legendas, o espectador reduz significativamente o tempo dedicado à interpretação daquilo que vê na imagem. O processamento cognitivo de informações visuais é simplesmente maior para quem precisa lidar com as legendas, e isso termina por afastar aqueles que não exercitam esse hábito com frequência.

Alguns críticos e pesquisadores também têm levantado, nos últimos anos, suspeitas de que os roteiristas norte-americanos têm passado por uma suposta crise criativa, algo que poderia ser comprovado pela tendência massiva de refilmagens de grandes sucessos do passado, inclusive norte-americanos (“A Fantástica Fábrica de Chocolate”, o vindouro “O Mágico de Oz”), e também pela preferência acentuada dos produtores por franquias de sucesso (“O Senhor dos Anéis”, “Harry Potter”, “Crepúsculo”, os filmes da série Batman) e adaptações de outras mídias, como quadrinhos e videogames (“Scott Pilgrim Contra o Mundo”, “300”, “Sin City”). No entanto, é difícil sustentar essa afirmação a partir de estatísticas, uma vez que os roteiros originais são historicamente menos numerosos, e isso nunca foi garantia de qualidade.

De todo modo, é importante olhar de modo crítico o preconceito atávico da comunidade cinéfila, para quem o fato de carregar consigo o status de remake faz de qualquer filme um produto de menor qualidade. Embora a maior parte das refilmagens dilua a força do original, seja limitando-se a atualizar os efeitos especiais (“O Planeta dos Macacos”, de Tim Burton) ou eliminando dos personagens qualquer tipo de complexidade moral (“Vanilla Sky”, de Cameron Crowe), existem as sempre bem-vindas exceções, em que os diretores das versões mais recentes conseguem incluir temas ou comentários críticos de ordem pessoal ou social. É o caso de “Os Infiltrados” e de “Deixe-me Entrar”, remake do sueco “Deixe Ela Entrar”, ambos elogiados pela crítica internacional.

* Texto originalmente publicado na revista Continente, nº 122 (fevereiro de 2011).

6 comentários em “Enxurrada de refilmagens

  1. Rodrigo, vc respondeu a uma questão que sempre me coloquei:com tantas idéias boas q devem existir p fazer filmes, pq os americanos não fazem filmes novos e insistem em fazer refilmagens de filmes estranfeiros, q muitas vezes acabaram de sair de cartaz, ou seja, estão fresquinhos? É o caso de Deixa ela entrar, filme de terror sueco, maravilhoso, q mal saiu do Museu da República, foi refilmado p EUA em um nível q não tem nem comparação. Parece até q os americanos não aceitam q estrangeiros sejam capazes de fazer filmes tão, tão bons!

    Curtir

Deixe uma resposta para Douglas Alves Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s