Avatar

[rating: 3.5]

No começo de 1998, ao receber o Oscar de melhor filme por “Titanic” (1997), o diretor e roteirista James Cameron protagonizou uma cena curiosa, que repercutiu um bocado nos meses que se seguiram. Ele comemorou o décimo-primeiro troféu daquela noite parafraseando o protagonista de seu filme e gritando a frase “eu sou o rei do mundo” para um bilhão de espectadores. A brincadeira soou como ataque de megalomania para muita gente – e essas pessoas não estavam totalmente erradas. Cameron é mesmo um membro do clube de diretores determinados a realizar feitos que gente normal consideraria impossíveis. Para um sujeito assim, depois de “Titanic” só havia mesmo uma coisa a ser feita: brincar de Deus e construir o seu próprio universo. Doze anos e US$ 300 milhões de dólares depois, “Avatar” (EUA, 2009) cumpre esse destino.

Desde que o cineasta – uma das pessoas mais poderosas de Hollywood – começou a pré-produção, em 2005, após esperar dez anos para que a tecnologia avançasse a um nível que tornasse a transposição da história para as telas possível, o filme passou a ser saudado pela indústria cinematográfica como a obra que colocaria o cinema, tão fustigado pela evasão em massa do público, em um renovado patamar de interesse. Afinal, a luta travada nos bastidores foi quase tão dura quanto as batalhas épicas que se vê na tela, entre os invasores humanos e o povo nativo do planeta Pandora. A equipe de Cameron teve que criar novos softwares para dar conta da completa criação digital de um mundo (incluindo mamíferos, plantas, árvores, insetos, aves, etc.) e inventar uma câmera 3D que fosse leve o bastante para ser operada manualmente. Os desafios técnicos foram todos vencidos, e obviamente aquilo que se vê na tela é um universo mitológico fotorrealista ao extremo.

Já em termos de enredo, “Avatar” é uma história de amor clássica (um tanto quanto açucarada, aliás), vitaminada por uma preocupação ecológica (algo rasteira) e sedimentada sobre uma releitura em CGI da mitologia cristã para adolescentes. Já foi dito antes que “Avatar” seria nada mais do que uma versão de “Dança com Lobos” (1990) ambientada no espaço sideral; eu não poderia criar um aforismo mais perfeito do que esse. A frase resume perfeitamente o que é o longa-metragem. Adicione a essa receita ecos de “O Senhor dos Anéis” (criaturas em CGI, câmera que emula o vôo de um falcão em cenas de batalha), “Matrix” (mitologia cristã sobre o salvador, cerimônias coletivas que parecem um culto afro-brasileiro), “Tarzã” (atores correndo nos galhos de árvores gigantes) e mais um punhado de obras de ficção científica, e você terá uma boa idéia de “Avatar”.

Os paralelos traçados em relação a “Dança com Lobos”, porém, são inúmeros. O protagonista é um militar ferido e desencantado com o mundo que redescobre a alegria de viver ao tomar contato com um povo nativo cuja filosofia é de comunhão total com a natureza (saem os índios, entram os Na’vi, seres azuis com quatro metros de altura e que se conectam – literalmente – com animais de todas as espécies, atando os rabos como fios elétricos). Ele se enturma com os nativos, aprende aos poucos a apreciar os costumes deles, e acaba se voltando contra sua própria raça durante uma batalha de proporções épicas. Cameron se certificou de incluir uma boa dose de preocupações ambientalistas (um tanto rasteiras, aliás), para dotar o filme de um teor de atualidade e fazê-lo politicamente relevante.

O maior ângulo de interesse em “Avatar” surge quando o filme é analisado do ponto de vista das convenções de gênero da ficção científica: trata-se do primeiro longa-metragem a inverter os tradicionais papéis de seres humanos e alienígenas. Até então, virtualmente todos os filmes feitos com extraterrestres mostravam essas criaturas como invasores (hostis ou amigáveis, mas sempre invasores). Desta vez, são os humanos que representam o papel coletivo de vilão: é a nossa raça que invade o mundo puro e ingênuo dos Na’vi, com a finalidade de extrair um minério valioso que pode possibilitar a sobrevivência da Terra, cujos recursos naturais foram esgotados em 2154, ano em que a ação dramática é ambientada.

Essa atitude arrogante e destrutiva é encapsulada pelo coronel Miles Quaritch (Stephen Lang), chefe de segurança da colônia humana no planeta Pandora, que respira, come e dorme a idéia fixa de destruir os alienígenas de uma vez por todas. Ele se tornará progressivamente o grande opositor de Jake Sully (Sam Worthington), o herói do filme. Jake é um ex-fuzileiro naval paralítico, contratado para participar de um projeto secreto que objetiva conhecer melhor a raça extraterrena. Esse projeto visa transferir a consciência de seres humanos para corpos com aparência Na’vi e DNA híbrido, capazes de travar contato com os Na’vi. É com esse novo corpo, com o qual consegue voltar a andar, que Jake se infiltrará entre os alienígenas como espião – e, aos poucos, aprenderá com a princesa Neyriti (Zoë Saldana) um estilo de vida com o qual não tinha até então nenhuma intimidade.

Elogiar a equipe responsável pelo desenho de produção seria chover no molhado. Rick Carter e Robert Stromberg desenharam uma infinidade de plantas e criaturas; o traço que as une é que todas apresentam alguma semelhança com espécies terrestres (cavalos, rinocerontes, macacos, sequóias e muito mais), para facilitar a compreensão da alegoria pelos mais jovens. Esse princípio se aplica também à única raça bípede e com consciência, já que os membros do povo Na’vi têm a aparência de adolescentes rebeldes, incluindo dreadlocks, tatuagens, piercings e perfuradores de orelha – isso deixa absolutamente claro quem é o público-alvo visado por Cameron.

O público-alvo também explica porque as referências mitológicas e espiritualistas são tão óbvias, assim como sua mensagem pacifista-ecológica que ecoa o mito do bom selvagem de Rousseau. Cameron já havia utilizado antes as releituras do mito cristão do salvador (incluindo milagres), na série “O Exterminador do Futuro” e também em “O Segredo do Abismo” (1998). A equipe da Weta (estúdio de criação digital desenvolvido por Peter Jackson e responsável pela trilogia “O Senhor dos Anéis”) dá vida a esse desenho de produção com enorme competência; é preciso ressaltar que a equipe de produção não filmou uma árvore ou bicho sequer, e que todas as paisagens naturais foram produzidas diretamente em computador.

Por fim, James Cameron não se limitou a reescrever a história de “Dança com Lobos” e ambientá-la num novo planeta. O diretor inseriu outras assinaturas estilísticas de seu trabalho como narrador cinematográfico, como a já citada mitologia cristã-espiritualista e as protagonistas femininas duronas, sempre com uma função maior na história do que o normal em Hollywood, onde as mulheres se limitam ao papel de interesse romântico do herói. Infelizmente, o excesso de clichês do melodrama mais chinfrim – que dão à luta final entre herói e vilão, por exemplo, a persistente noção de que sabemos exatamente o que acontecerá nos cinco minutos seguintes – atrapalha um bocado a diversão daquela fatia do público que já tem uma bagagem cinematográfica razoável. Para os adolescentes e para a fatia do público que não se cansam de ver o mesmo filme com roupagem nova, porém, “Avatar” tem tudo para virar a mais nova obra-prima da semana. O que não diminui aquilo que o filme tem de interessante, diga-se de passagem.

O DVD simples da Fox traz apenas o filme, com alta qualidade de imagem (widescreen 1.85:1) e áudio (Dolby Digital 5.1), e em formato 2D tradicional. Cinéfilos que viram o longa-metragem nos cinemas podem estranhar, já que o formato de exibição era scope (proporção 2.35:1), mas James Cameron fez o corte na proporção mais estreita para exibição em IMAX e supervisionou pessoalmente a edição para o mercado caseiro. A edição especial estendida tem três versões do filme, duas delas mais extensas (com 8 e 16 minutos adicionais, respectivamente, e mais dois discos exclusivos com material de bastidores, incluindo um documentário completo de 2h30, mais de uma hora de cenas cortadas e várias demonstrações de efeitos especiais.

– Avatar (EUA, 2009)
Direção: James Cameron
Elenco: Sam Worthington, Zoë Saldana, Stephen Lang, Sigourney Weaver
Duração: 162 minutos

Anúncios

43 comentários em “Avatar

  1. Rodrigo, vá a locadora mais próxima e alugue Guerra ao Terror, simplesmente o melhor filme do ano. Destaque para as duas grandes mancadas dos distribuidores brasileiros: 1º escolheram esse título clichê absolutamente ridículo e 2º lançaram esse filmaço direto em dvd. Um pecado com os cinéfilos brasileiros.
    Quanto a esse Avatar, eu acho que vou fazer o mesmo que a Titanic, onde foi adiando uma vista no filme e acabei não assistindo até hoje. Rsrs.

    Curtir

  2. Roger, eu gosto da Kathryn Bigelow. Acho excelente “Estranhos Prazeres” e não sabia que esse filme já havia saído em DVD (aliás, não sei se você sabia quando postou esse recado na crítica de “Avatar”, mas ela foi esposa de James Cameron e ele até escreveu o roteiro desse filme com Ralph Fiennes). Vou conferir.

    Curtir

  3. Quero muito ver este filme, tecnicamente falando deve ser realmente sensacional.

    O mais interessante da história é que o próprio diretor foi que em uma entrevista disse que considera o filme dele um “Dança com Lobos” no espaço… 🙂

    Curtir

  4. Realmente, concordo com o Roger, Guerra ao Terror (The Hurt Locker) é o melhor filme do ano até agora ao lado de Bastatardos Inglórios e O Lutador. Um filmaço, obra-prima, vale a pena ser conferido. Mas como o assunto é Avatar, confesso que estou super empolgado com o filme e vou vê-lo mais tarde. Parabéns pelo site e pelas ótimas críticas, sua escrita é excelente Rodrigo, apesar de nem sempre concordar com você, mas isso é uma questão de opinião e é indiscutível a qualidade de seu trabalho.

    Curtir

  5. Cara, adorei AVATAR!!! Sensacional, o filme te leva pra viajar. O James Cameron realmente merece o meu respeito. Um amontuado de clichês que funciona, e muito bem!! foi a minha melhor experiência dentro de uma sala de cinema. Incrível.

    Curtir

  6. Rodrigo, interessante demais o paralelo que você conseguiu enxergar entre “Avatar” e “Dança com Lobos”. Essa eu não tinha percebido! Eu não sou uma fã do James Cameron, inclusive odeio “Titanic”, mas ele me deixou de queixo caído com esse filme. Inegável que ele é um diretor visionário, que imagina o impossível e consegue encontrar a tecnologia certa para colocar seus desejos em prática. O visual de “Avatar” é arrebatador!

    Curtir

  7. Olá Rodrigo,
    Sempre acompanho suas criticas inclusive muitas vezes as leio antes de ver um filme… de um modo geral sempre concordo com elas apesar de claro discordar algumas vezes (o q eh masi do q normal).
    Excelente critica de Avatar apesar de nao ter entendido a nota final… uma coisa q tenho percebido nas criticas de um modo geral eh q vc sempre “tira pontos” de filmes q, como vc mesmo diz, da pra saber o q ira acontecder daqui a 5 min…
    Eu pessoalmente acho isso uma besteira e pra mim nao tira em nda o merito do filme e, sinceramente, vc acha q se fazem filmes hj em dia q surpreendam ainda nessa maneira? Nao eh nem uma critica mas acho sim q nem eh o objetivo deles fazer isso.
    O q vc me diz de gran torino, q foi muito elogiado por vc (com muito justiça por sinal); pessoalmente no meio do filme talvez antes eu ja sabia o q ia acontecer e isso nao tira nem um pouco o merito do filme (e o final nao deixa de ser cliche tb)…
    Acho so q vc deveria repensar q coloca isso nas criticas pq muitas vezes soa como algo negatico no filme…

    Curtir

  8. So pra nao deAvatar tb…

    Excelente filme, vale a pena muito ver e revoluciona o modo de fazer filme… a historia nao eh surpreendente ate pq esse nao eh o objetivo dele, alem de claro possuir alguns clichês (q filme nao tem?)…
    O unico lado negativo eh ter visto a porcaria dublada em 3D o q eh um absurdo….

    Curtir

  9. Observações rápidas e gerais:

    1) Todo filme de gênero consiste essencialmente num conjunto de regras e convenções narrativas que se repetem, em maior ou menor grau. Em “Avatar” creio que essa repetição foi um tanto excessiva. É minha opinião.

    2) Ainda pretendo escrever um post refletindo sobre a questão das legendas em 3D. Particularmente, acho que elas se tornam um elemento visual a mais para competir com tantas camadas de imagem. Mas essa discussão é complexa…

    Curtir

  10. Realmente lembrei de “Dança com Lobos” e lembrei também de “O Retorno de Jedi”. De fato, para quem tem alguma bagagem cinematográfica é difícil não fazer alguma relação desse tipo. De qualquer forma, uma das coisas interessantes da ficção científica é levar questões reais a cenários imaginários, fazendo que o público encare estas questões sem os referenciais sócio-culturais a que está acostumado. Nesse aspecto, e considerando o público-alvo que referiste, acho que o filme cumpriu bem seu papel. Não achei que o convencionalismo narrativo tenha prejudicado tanto assim. A luta final, de fato, é um tanto forçada, mas acho que o diretor talvez tenha prefirido sacrificar eventuais inovações narrativas para atingir um público maior. Mas isso não chegou a me incomodar comparado ao espetáculo visual que é este filme.
    Um abraço e parabéns pelas críticas. São as minhas preferidas da internet.

    Curtir

  11. Roger disse: “Rodrigo, vá a locadora mais próxima e alugue Guerra ao Terror…”
    Acho que o mais certo seria dizer: “Rodrigo, Vá ao pirateiro mais próximo…”
    Digo isso porque não sei se já perceberam, mas as locadoras estão todas fechando, no meu bairo não tem mais video locadora, quando quero assistir algum filme em casa recorro aos pirateiros é lamentavel, mas vou fazer o que se nem as autoridades fazem nada, a polícia ou guarda munícipal passa em frente as barraquinhas e não estão nem aí, eu era rato de locadora agora virei rato de barraquinha de pirateiro por falta de opção.

    Curtir

  12. Vi o filme ontem e fiquei embasbacada com os efeitos especiais.. e ainda mais agora que li na critica de Rodrigo que nenhuma árvore daquela era de verdade. O filme é fantástico, mas apenas visualmente. A história é mto ruim.. super hiper mega blaster batida. É mto dificil gostar de um filme onde vc pode prever cada cena. O filme valeu pra mim pela qualidade dos efeitos, só isso.

    Curtir

  13. A propósito, não achei “The Hurt Locker” isso tudo que tão falando por aí.. como fazona de filme de guerra, achei The Hurt Locker um filme acima da média mas não é o melhor do ano mesmo. Seria injustiça Bastardos Inglorios perder premios pra esse filme.

    Beto, q comentário infeliz.

    Curtir

  14. Essa discussão sobre legendas em filmes 3D é bastante interessante, ainda mais num país como o nosso, que tem ótimos (embora na maioria das vezes desvalorizados) trabalhos de dublagem. Com o passar do tempo algumas atuações se tornaram verdadeiros clássicos, tanto em filmes (o trabalho de André Filho na série Superman me vem à memória) quanto em desenhos (os exemplos são inúmeros).

    Pessoalmente, até pouco tempo atrás me recusava terminantemente a assistir filmes dublados, opção que foi se “flexibilizando” recentemente (irmãos menores). Agora, com o advento do 3D legendado, me encontro num dilema.

    Assisti a Avatar dublado (e dividido quanto à questão). As poucas cenas legendadas do filme (os diálogos na língua dos Na’ vi) não me “tiraram” da “sensação 3D”. Mas um filme completo assim?
    Ainda não sei.

    Realmente é um assunto complexo…

    Curtir

  15. Este filme é como uma bela embalagem sem conteúdo algum. Antes de ir ver achava que era exagero de Rodrigo quando falou que o filme é repleto de clichês, mas depois de vê-lo achei que ele foi até brando nas críticas. O destaque é a nova tecnologia que transformou o Golum e King Kong digitais parecidos com animações em flash, perto de Avatar.

    Curtir

  16. Mais um oscar p weta digital, 3 pelo senhor dos aneis… o quanto vale se vender p realizar seu sonho… essa eh a pergunta. Não tinha como J.Cameron realizar esse filme sem se vender ao publíco, digo a massa do público, ele precisa da massa para seus projetos. é inégavel q ele é criativo, com tantas franquias originais q deram certo, é esperar q em avatar 2 ele va além.
    P.S.: Rodrigo, o cara é megalomaniaco, mas vai arrebatar as duas maiores bilheterias da história… ele nasceu pra isso.

    Curtir

  17. “Avatar” não é só uma versão de “Dança com Lobos”. Parece demais com “O Último Samurai”. O mesmo argumento, que já deu o que tinha que dar. Nada original, apesar de ser um espetáculo visual.

    Curtir

  18. Daria uma nota 9 a Avatar. É sem dúvida um ótimo filme, com efeitos soberbos. Me chamou atenção a atuação de Zoë Saldana, muito bem em suas feições.
    Porém acho que o filme tem muitos clichês. A Batalha final é recheada deles. Não é o melhor filme do ano e nem o melhor filme de Cameron. Mas é um ótimo filme.
    Para mim “The Hurt Locker” é o melhor filme do ano e merecedor da estatueta.

    Curtir

  19. Acompanho você a muitos anos e esperava mais nessa sua crítica. Senti algo meio sem graça para um filme que tem tudo para mudar e moldar o novo caminho do cinema POP no mundo. No fundo você está certo na sua analise, mas achei fria demais. Mesmo o tom pastel que o Cameron dá ao roteiro, nós sabemos que é uma estratégia para nivelar para que todos se divirtam. Cameron faz cinema para pessoas, para ser visto, para vender ingresso. Acho bacana isso nele.

    Como sei da sua competência te provoco a construir outro texto – O Impacto AVATAR no futuro do cinema? Você sabe que terá impacto. Eu acho que ele é o novo Star Wars da nossa geração. Essa inhaca vai gerar outros filmes e o melhor ainda estar por vir. O impacto 3D, creio que é só o começo.
    Sentiu-se provocado ?

    Abraço seu grande acompanhador, Gilvam

    Curtir

  20. Lembro de você, Gilvan. 🙂 Desculpa, mas não senti nada de especial nesse filme. Sei que o marketing foi todo feito em cima dessa idéia – vai mudar o cinema – mas não senti isso. Posso estar errado, claro. Mas não consegui enxergar onde “Avatar” avançou tanto assim. Com certeza não foi na narrativa, nem na prática estilística. Tecnologia? Pode ser, mas mesmo aí não acho que chegue aos pés de “O Senhor dos Anéis”. Sorry, é o que penso. O tempo dirá se tenho razão.

    Curtir

  21. O Visual é fantástico! (se servir como justificativa pro investimento de tanta grana!); No mais uma mistura bizarra de Pocahontas e Matrix!! (ninguem mais reparou?) com Smurfs grandões! a história é tão ifinitamente clichê que você a esquece tão logo saia do cinema , e os olhos se recuperem da ”grandiosa” experiência visual,nisso repito até vale o ingresso!, pra mim James Cameron é melhor no ramo de Exterminadores!

    Curtir

  22. Amigos, não tentem diminuir o clichê
    O universo inteiro é cliche infinito: um fractal.
    O ser humano não é diferente e nunca será.
    Não existe história diferente. não adianta nem tentar
    e aí está a beleza da fantasia e do mito
    tudo se trata de um único grande feito.
    A mensagem de Avatar é das mais lindas possíveis.
    A linguagem é um tanto conhecida, claro.
    mas isso não interfere na mensagem ( falo aqui da “ecologia rasteira” )
    e é a falta da ecologia mais banal
    mais íntima e óbvia
    que faz do mundo um inferno para o próprio mundo

    Todos nós somos o mundo e temos o céu estampado em nossa face.
    ” esses são os olhos do mundo. e essa é a voz do mundo…o que mais???” Bem disse Campbell

    essa verdade íntima que as primeiras culturas conhecem bem, e que Avatar ressuscita. é isso que importa.

    O que importa é a historia ao redor do fogo.

    Curtir

  23. de toda sorte, ele não revoluciona o gênero de ficção científica (isso cabe à distrito 9). Gostei, mas ainda não é a revolução, só um frankenstein cinematográfico com técnicas novas e assinatura de um bom diretor. Falta muita novidade pra se tornar O filme.

    Curtir

  24. Será que só eu achei esse filme uma completa bobagem?
    Há quinze anos atrás eu poderia até ter gostado (embora não acredite muito), mas a verdade á que não tenho mais a menor paciência para tanto clichê e pieguice. Haja saco!
    Essa baboseira milionária não chega aos pés dos verdadeiros grandes filmes do ano que passou (Guerra ao Terror, Bastardos Inglórios, Deixa Ela Entrar, Gran Torino…).

    Curtir

  25. Não me interessa se The Hurt Locker (Guerra ao Terror) vai ganhar premios. É um ótimo filme, já assisti 3x em DVD e não vejo a hora de assisti-lo em Blu-ray (Projetor Infocus 1080p e tela de 130 “). Avatar é chatinho, certinho … Cameron pegou vários filmes, colocou tudo num liquidificador digital, pasteurizou e embalou LIXUOSAMENTE em seda azul. Quando assistir em Blu-ray vou reavaliar o filme. Falando em Blu-ray e projetor, quem tem sabe … DVD e TV já eram !!!

    Curtir

  26. Para aqueles que, assim como eu não engoliram a fantasia infantilóide de James Cameron, recomendo a genial ficção-científica “Lunar”, que infelizmente saiu direto em dvd aqui no Brasil (mais um). Com um roteiro que se apropria dos temas de Blade Runner e 2001 e entrega algo totalmente original, uma direção minimalista e Sam Rockwell dando um show ao atuar praticamente sozinho durante todo o tempo. Um “pequeno” filme que deixa no chinelo aquela monstruosidade (como alguém bem disse aqui) chamado Avatar. Recomendo a procura dessa jóia.

    Curtir

  27. Concordo plenamente com Rodrigo no que diz respeito ao aspecto revolucinário do filme: simplesmente não o vejo. Parece-me mais um hype criado ao redor do longa do que, necessariamente, um avanço tecnológico per se. “Senhor dos Anéis” ainda brilha meus olhos muito mais do que os Na’vi desengonçados.

    Curtir

  28. Gente que gostou demais de Avatar com certeza não é do tipo que se importa com mesquinharias como “roteiro” e “originalidade”.
    Ok, eu não esperava um screenplay “Charlie Kaufman” da vida. Mas porra, qualquer filme da Pixar consegue ter muito mais profundidade em uma única cena do que Avatar tem no filme inteiro.

    Todas as receitas deste lixo digital deve ser doado à caridade para compensar, em parte, como o filme é estúpido.

    Parabéns, Rodrigo. Por não dar 5 estrelas para filmes como Avatar e The Dark Kinight.

    Curtir

  29. Achei, assim como tenho certeza que todos aqui acharam, o filme com o roteiro pra lá de medíocre e previsível. Não me identifiquei com a maioria dos personagens do filme, até acho que alguns coadjvantes eram totalmente dispensáveis. Mas, quanto aos efeitos e ao visual, concordo plenamente com o Rodrigo, é chover no molhado ficar elogiando, porém é inevitável dizer, é tudo fantástico demais, lindo demais, realmente vale o ingresso pra desfrutar desse visual. Concordo também com o Rodrigo quando ele diz que Avatar ainda não chegou aos pés de O Senhor dos Anéis, e realmente não chegou, principalmente do último capitulo, o retorno do rei. Sendo assim. não gostei mesmo do roteiro do filme, ou pra resumir curti apenas as lindas imagens e as cenas das batalhas épicas super bem feitas. Num todo, estarei torcendo para que Distrito 9 leve o Oscar.

    Curtir

  30. Visualmente falando o filme é sensacional, mas a história em si é cheia de clichês.
    Vale a pena assistir, mas não acho que merece tantos prêmios, como levou no GG, e como acredito que vá acontecer no Oscar.

    Curtir

  31. Vi ontem a edição estendida com 16 minutos a mais e sinceramente? Pode para poucos minutos mas pra mim esses minutos deram uma melhorando muito boa na história. Achei que ficou bem mais interessante e gostei bem mais do que quando vi o filme no cinema.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s