Oscar 2010: resultados

Para muita gente foi uma surpresa. O drama “Guerra ao Terror”, de Kathryn Bigelow, levou seis estatuetas (das nove a que concorria) e transformou-se no grande vencedor da 82ª edição do Oscar. Bigelow se tornou a primeira mulher a vencer a categoria de melhor diretor na história da premiação. O filme dela também venceu as categorias de edição, roteiro original, edição de som e mixagem de som.

A cerimônia de premiação aconteceu na noite do domingo (7), no Teatro Kodak, em Hollywood, e durou três horas e meia.

O outro grande protagonista da noite, “Avatar” (James Cameron), também concorria a nove estatuetas e ficou com apenas três prêmios técnicos: direção de arte, fotografia e efeitos visuais. Resta a Cameron o consolo de que a visibilidade alcançada reforçou ainda mais a já maior bilheteria da história do cinema.

Para quem acompanhava a trajetória dos dois filmes, a vitória de “Guerra ao Terror” nas categorias principais não chegou a surpreender. No entanto, o número de troféus (o dobro do maior concorrente) e algumas estatuetas técnicas foram surpresa, sim. Falo sobretudo das duas categorias relacionadas ao som.

Vou explicar isso melhor. Por ter sido filmado inteiramente em locação e com equipamento semi-profissional (câmeras Super 16), o longa-metragem certamente precisou ter a trilha de áudio recriada, em grande parte, na pós-produção. Ora, é fato que esse trabalho foi extremamente bem feito, de forma que a construção cuidadosa dos efeitos sonoros e sua mixagem com os diálogos jamais atrapalham o efeito de naturalismo tão perseguido no tratamento das imagens (razão maior do Oscar de melhor edição, aliás).

Nessas categorias, portanto, acho que a vitória é muito merecida. Mais até do que em melhor filme e direção (como já escrevi antes, considero “Bastardos Inglórios” e “Up” trabalhos superiores). Mas, como toda regra tem exceção, preciso dizer que o prêmio de roteiro original para Marc Boal me pareceu um absurdo. Tudo bem que o filme nasceu do ótimo artigo que ele escreveu para a revista Playboy, mas em termos de estrutura dramática e na qualidade dos diálogos, trata-se de um roteiro comum. Banal, até.

A força do filme de Kathryn Bigelow está na sua energia, que provém das atuações, da fotografia, da montagem e do trabalho com o som. Não do roteiro. No meu entender, esse foi o maior absurdo da noite.

Os três Oscar faturados por “Avatar” eram mais ou menos óbvios e ficaram de bom tamanho. No todo, aliás, a distribuição de prêmios foi de acordo com as expectativas. Alguns troféus distribuídos eram bastante óbvios, como os de Jeff Bridges (melhor ator), Sandra Bullock (atriz), Mo’nique (atriz coadjuvante) e sobretudo Christoph Waltz (ator coadjuvante). Se esse último não ganhasse, seria o caso de pedir o impeachment da diretoria da Academia de Artes e Ciências de Hollywood.

Houve surpresas também. Poucas. O excelente (mas sombrio, inconclusivo e talvez agressivo demais) “A Fita Branca” perdeu para o melodrama argentino “O Segredo de Teus Olhos” (filme estrangeiro), numa decisão que certamente irritou cinéfilos mais empedernidos, mas que não chega a ser injusta. São filmes de calibres diferentes, feitos para públicos diferentes. Já Quentin Tarantino não ganhar melhor roteiro original foi mesmo um escândalo, considerando o que acabei de escrever sobre a estrutura dramática e os diálogos do grande vencedor da noite. Essas duas características abundavam no filme de Tarantino.

Consideremos, também, que belos filmes saíram premiados. Foi o caso de “Up”, que ganhou em melhor animação (era óbvio) e em trilha sonora (não tão óbvio). Esta última estatueta foi mais do que justa. Somente a montagem dos primeiros dez minutos do filme, sonorizada com um arranjo absolutamente espetacular e comovente de Michael Giacchino, seriam suficientes para lhe dar o Oscar.

Veja abaixo a lista completa dos vencedores:

» Melhor filme: “Guerra ao terror”
» Melhor direção: Kathryn Bigelow, “Guerra ao terror”
» Melhor atriz: Sandra Bullock, “Um sonho possível”
» Melhor ator: Jeff Bridges, “Coração louco”
» Melhor filme estrangeiro: “O segredo dos seus olhos” (Argentina)
» Melhor edição (montagem): “Guerra ao terror”
» Melhor documentário: “The cove”
» Melhores efeitos visuais: “Avatar”
» Melhor trilha sonora: “Up – Altas aventuras”
» Melhor cinematografia (fotografia): “Avatar”
» Melhor mixagem de som: “Guerra ao terror”
» Melhor edição de som: “Guerra ao terror”
» Melhor figurino: “The young Victoria”
» Melhor direção de arte: “Avatar”
» Melhor atriz coadjuvante: Mo’Nique, “Preciosa”
» Melhor roteiro adaptado: “Preciosa”
» Melhor maquiagem: “Star trek”
» Melhor curta-metragem: “The new tenants”
» Melhor documentário em curta-metragem “Music by Prudence”
» Melhor curta-metragem de animação: “Logorama”
» Melhor roteiro original: “Guerra ao terror”
» Melhor canção: “The weary kind”, de “Coração louco”
» Melhor animação: “Up – Altas aventuras”
» Melhor ator coadjuvante: Christoph Waltz, “Bastardos inglórios”.

Anúncios

17 comentários em “Oscar 2010: resultados

  1. Bastardos Inglórios não ganhar como o melhor roteiro original foi uma verdadeira piada. Avatar merecia apenas os prêmios técnicos, mesmo. A melhor atriz, a meu ver, deveria ter sido a gordinha do filme Preciosa. Guerra ao Terror é muito bom, só não concordo como sendo o melhor filme. Bastardos Inglórios foi disparado o melhor filme de 2009.

    Curtir

  2. Concordo que o roteiro original poderia ter sido entregue a “Bastardos Inglórius”. Mas não acho que foi nenhuma injustiça, absurdo ou anomalia “Guerra ao Terror” ter ganho. Como já escrevi neste democrático espaço, o filme de Bigelow é o melhor do ano. Um grande filme! E ganhou com a maior justiça do mundo. Avatar fica com o prêmio que tinha que ficar mesmo. O de maior bilheteria. Fico feliz e curioso ao mesmo tempo. Feliz que a Academia opte por uma boa história e não por bons efeitos. Curioso porque ela fecha os olhos para o que pode ser a salvação da indústria num futuro bem próximo
    Adorei os resultados!!

    Curtir

  3. Concordo com o Danilo, quando ele diz: “Feliz que a Academia opte por uma boa história e não por bons efeitos”. É isso mesmo, velho. Assino embaixo. E o teu Santos, hein? O Sport Club do Recife é minha religião, mas não perco um jogo do Santos ultimamente. Time leve, técnico, habilidoso, coisa rara no futebol brasileiro (quem diria!) hoje em dia. Se esse time mantiver o bom nível técnico e regularidade, dificilmente deixa de conquistar algo este ano. Meu avô era de Santos e santista doente, ele estaria feliz da vida vendo este time jogar. Um abraço.

    Curtir

  4. Na minha humilde opinião os maiores injustiçados da noite foram “Avatar” e “Bastardos e inglórios”. Guerra ao terror é bom, mas não tanto a ponto de ganhar tantos premios e ponto final.

    Curtir

  5. Vocês viram a esposa do James Cameron, a atriz Suzy Amis, coitada, o que esse cara faz com as mulheres com que casa (a exceção da Kathryn Bigelow, claro), elas murcham ao lado dele (foi o mesmo com a Linda Hamilton.

    Curtir

  6. Gostaria de saber quais criterios os jurados da academia usam quando escolhem um filme?
    Até que ponto o subjetivo interfere nessa escolha?
    Gostaria tambem de compartilhar a minha indignação. Ontem eu estava distante do recife, num lugar onde uma TV era a unica possibilidade que eu tinha de ver a entrega dos premios. Mas para o meu desespero a rede globo apenas iniciou a transmição de fato, praticamente na metade da festa; a entrega de alguns premios que eu ansiava ver (ao vivo) como melhor animação e melhor ator coadjuvante, foram sacrificados em nome do alienante BBB. Uma postura que revela a falta de compromisso da emissora para com o telespectador. Sem falar na pessima apresentação, com os comentarios vazios do excelente ator José Wilker.

    Curtir

  7. Achei a cerimonia agradavel e nem vi o tempo passar.. gostei dos apresentadores e fiquei muito contente com a derrota de Avatar. Pra mim, qualquer filme que vencesse Avatar seria mais do que justo. O melhor momento foi Ben Stiler de Na’vi e a melhor piada foi a do oculos 3D pra ver James Cameron. O premio mais justo foi para Christoph Waltz, eu considero seu desepenho em Bastardos Inglorios simplesmente a melhor atuação do ano passado.

    Curtir

  8. Andrei, como toda votação, claro que o subjetivo interfere. Não há critérios claros, mas convém lembrar: os jurados são gente do ramo (diretores, fotógrafos, atores, etc.) que já foram indicados e/ou ganharam nos anos anteriores. Então eles sabem do que estão falando. Pelo menos em tese…

    Curtir

  9. Também estou nessa de que “Bastardos” era para ter ganho roteiro original. Foi surpresa mesmo. Muito bom o texto Rodrigo. Legal as explicações de som e realmente o início de “Up” é sensacional.

    Curtir

  10. Na minha opinião, “Guerra ao Terror” é um bom filme, mas longe de ser o melhor dos indicados (não sei nem se pegaria uma medalha de bronze). Mas acho que prevaleceu a vontade da Academia de premiar algum filme sobre a Guerra do Iraque. Na falta de um “Apocalypse Now” ou de um “Platoon”, ele serviu.

    Curtir

  11. Destaque tb para a trilha sonora de Up. Absurdamente maravilhosa!!!

    só para o André não ficar sem resposta
    obrigado pelos elogios ao meu Santos. Nosso momento é mágico mesmo. Moro em frente a Vila e vou a todos os jogos!! O Sport ano que vem vai para o lugar que ele merece estar. A Divisão de elite!

    Curtir

  12. Eu gostei da distribuição de prêmios, mas odiei a cerimônia em si! A do ano passado foi dez mil vezes melhor! Amei a Kathryn vencendo e surpresas mesmo somente a vitória de “Precious” em Roteiro Adaptado e “Avatar” em Fotografia!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s