Deixa Ela Entrar

[rating: 4.5]

Uma das maneiras mais interessantes de subverter um gênero fílmico clássico, dizem os pesquisadores da área, é combinando-o com outro gênero igualmente clássico. Esse procedimento traz, contudo, um risco: se a mistura não for bem feita, pode-se decepcionar tanto admiradores de um gênero quanto do outro. O filme sueco “Deixa Ela Entrar” (Låt den Rätte Komma In, Suécia, 2008) consiste num exemplo de solução feliz desse impasse. Combinando sensibilidade e violência num pacote narrativo firme e seguro, o longa-metragem consegue ser, ao mesmo tempo, um belo drama de personagens sobre solidão, amadurecimento e sincronicidade, e um brilhante filme de horror.

Realizado pelo diretor Tomas Alfredson com base num romance escrito por John Ajvide Lindqvist, que foi responsável também pelo roteiro, “Deixa Ela Entrar” se inscreve diretamente na linhagem de filmes que abordam a transição da infância para a adolescência com delicadeza e economia narrativa. Ao mesmo tempo, respeita integralmente a mitologia ocidental sobre vampiros (não podem ter contato com a luz do sol, só devem adentrar um recinto se convidados pelo dono, pessoas mordidas por eles e não mortas viram outros vampiros, etc.), embora evite percorrer o caminho fácil dos sustos impactantes em prol de uma narrativa que valoriza a riqueza interior de seus personagens, e não apenas os dois protagonistas-mirins.

Eles são Oskar (Kåre Hedebrant) e Eli (Lina Leandersson). O primeiro é um garoto louro e magricela, de 12 anos, que parece a meio caminho de se tornar um assassino quando chegar à idade adulta. Oskar é espancado insistentemente pelos valentões da escola e seus pais divorciados não têm tempo para ele, que coleciona recortes sobre crimes violentos numa pasta cuidadosamente organizada. Quando Eli, uma menina da mesma idade que vive com o pai, se muda para o apartamento vizinho, a amizade que surge é inevitável. Afinal, ela compartilha com ele a solidão: não estuda, só sai de casa depois que escurece, tem um “cheiro engraçado”. A amizade surge naturalmente, e aos poucos os dois vão descobrir possuir algo mais em comum do que a falta de amigos.

O diretor conta a história da aproximação curiosa e hesitante entre essas duas almas solitárias de maneira inteiramente visual. Até mesmo por Oskar ser uma criança, eles não verbalizam os sentimentos. Em certo momento, com os dois deitados numa cama, Oskar pergunta a Eli se ela deseja namorar com ele. “Eu não sou menina”, é a resposta. “Tudo bem”, reflete Oskar. Um diálogo tão simples e econômico quanto refinado e rico de significados. Afinal, há muito mais em jogo, numa relação afetiva, do que questões de gênero. Especialmente quando o mundo parece ser um lugar tão duro, frio e impassível, algo ressaltado pela trilha sonora composta de esparsos acordes de piano.

Os panoramas gelados da Suécia e os cenários interiores, sempre decorados com cores frias, sinalizam a melancolia, a solidão, a desolação da vida interior de ambos. Os demais personagens são pintados com uma economia narrativa que lhes empresta um senso de mistério e empatia. O homem que acompanha Eli, por exemplo, parece muito velho para ser pai dela. Ele freqüenta o bar da comunidade, mas bebe apenas leite e não demonstra nenhum interesse em confraternizar com os vizinhos. Aos poucos, suas ações e reações revelam detalhes sobre ele. A expressão angustiada denuncia: trata-se de alguém que se encontra exausto, física e mentalmente. Está no limite. Este personagem parece ser a chave para compreender a cena final, inclusive. Será mesmo o pai de Eli?

Por sua vez, o pai de Oskar aparece numa única seqüência. É um homem gentil, carinhoso com o filho. Tomas Alfredson não precisa de mais do que essa única cena – praticamente sem diálogos – para mostrar que, mesmo assim, esse adulto dócil tem problemas pessoais que o mantêm emocionalmente distante do filho. O mesmo ocorre com a mãe do menino, que aparece em apenas duas cenas. Sua ausência é significativa e diz tudo o que precisa ser dito a respeito do personagem. E o que falar da relação existente entre dois dos freqüentadores do bar da vizinhança – um casal que vive às turras – senão que o diretor os usa como diapasão que dá ressonância aos afetos dos dois meninos?

Além de usar apropriadamente o aspecto scope (2.35:1, tela retangular) para registrar as paisagens naturais com inteligência, Alfredson opta por um estilo de fotografia sutil e adequado. Ele insiste em enquadrar os personagens, sobretudo as crianças, bem de perto, com abundância de planos-detalhes e uso do foco para criar belos efeitos de profundidade. Essa proximidade da câmera deixa o espectador mais íntimo dos meninos, como um colega invisível que compartilha de seus segredos. As interpretações impecáveis dos atores-mirins, escolhidos após um ano de testes por toda a Suécia, valorizam essa técnica incomum.

Além disso, a decupagem é rigorosa e coerente, algo que fica evidente nas seqüências mais violentas. Há uma cena especialmente memorável, que se passa na piscina da escola em que Oskar estuda; preste atenção no senso de colocação de câmera e na variação do ritmo da seqüência, que termina com um plano de conjunto absolutamente fascinante. O diretor sueco também utiliza efeitos especiais digitais, mas com discrição e elegância, de modo que essas tomadas estão sempre integradas à ação dramática e parecem naturais, sem chamar a atenção para si.

Por fim, há que se ressaltar a habilidade do roteirista John Ajvide Lindqvist no trabalho de adaptação. Além de eliminar uma série de subtramas e valorizar a economia de diálogos (algo incomum quando um escritor adapta seu próprio livro), ele soube incluir pequenos detalhes saborosos que dão vida interior aos personagens e contribuem para a narrativa. É o caso dos momentos em que Oskar aprende Código Morse e ensina a linguagem para Eli, de forma que ambos possam “conversar” silenciosamente batendo levemente na parede que divide os quartos de ambos. Essas cenas ressoam lindamente no final algo especial, que sela os destinos dos dois meninos. Em resumo, um filme raro.

– Deixa Ela Entrar (Låt den Rätte Komma In, Suécia, 2008)
Direção: Tomas Alfredson
Elenco: Kåre Hedebrant, Lina Leandersson, Per Ragnar, Henrik Dahl
Duração: 115 minutos

30 comentários em “Deixa Ela Entrar

  1. Aparentemente um filme de horror, porém, um belo drama. Eu diria que seja, poesia cinematográfica! Este é mesmo um filme raro. Infelismente os americanos já estão providenciando uma refilmagem, Hollywood já não tem mais criatividade. Aconteceu
    com REC e diversos filmes de horror oriental.

    Curtir

  2. Esses americanos…. Lembro que o remake do bem bom O Silêncio do Lago (The Vanishing, Holanda, França, 1988), um primor fino do suspense foi detonado na versão americana. Eles não aprendem. eheh

    Curtir

  3. Ótima crítica. Só destaco que não há apenas uma cena com o pai de Oskar, mas duas. Inclusive, na segunda, ficamos na dúvida sobre o que de fato há entre o pai e o amigo que chega no momento do jogo entre pai e filho. O filme é excelente, por isso mesmo que rever algumas vezes, de preferência, no cinema. Um filme de horror, mas extremamente sutil e lírico. Um filme raro, como você mesmo disse.

    Curtir

  4. Anderson, não tinha visto seu primeiro comentário sobre a relação entre o pai e o amigo. Nessa cena específica, pelo menos foi o que entendi, fica explícito que o pai é um homem bom, mas fraco. Ele é alcoólatra. Quando o amigo chega, com uma garrafa de vodka na mão, o pai imediatamente pára de brincar com o menino para ir encher a cara.

    Curtir

  5. q filme mais fofo!!! … (e horripilante =D). Adorei!! as crianças são ótimas.. incrivel como elas seguram o filme sozinhas.. a historia estranha e fantastica cativa qualquer um.. quem não queria ter um amigo vampiro? =D
    A cena da piscina é uma confusão de sentimenstos.. horror? comedia? medo? ternura? muuuuito bom!!! como pode numa unica cena tantas sensações diferentes? =D
    Esperei bastante pra ver esse filme e estou plenamente satisfeita.

    Curtir

  6. assisti sábado passado. na hora gostei. hoje achei que gostava um pouco menos e depois de reler essa crítica, acho que gosto um pouco mais. haha (: talvez seja o caso de assistir de novo…

    Curtir

  7. É assim mesmo, Yanna, os filmes sempre crescem e diminuem enquanto ressoam na nossa cabeça. É uma das belezas do cinema. Quando a crítica mexe com essa ressonância, eu fico orgulhoso. Não poderia pedir mais de alguém que lê o que eu escrevo. 🙂

    Curtir

  8. Caramba!, que Filme! Que atuações, tem um cena em que Eli e Oskar estão na cama, o diretor consegue extrair de atores de 12 anos cenas de uma sensualidade, nada vulgar nem chocante, que mostram que Eli é uma mulher, apesar da aparência, afinal ela mesmo fala que tem 12 anos há muito tempo. É de uma sensibilidade absurda, bem como os momentos violentos, filmados soberbamente.
    Preciso rever o filme, já!

    Curtir

  9. SPOILER – SPOILER – SPOILER

    LEIA APENAS SE JÁ ASSISTIU AO FILME!!

    Acho q muita gente que assiste acha que o homem q vive com vampirinha é o pai dela, mas na verdade esse homem ela o conheceu qd ele tinha uns 12 anos. Ela é vampira gente, então ela tem 12 faz muito tempo, só quem envelheceu foi o homem. Vai acontecer o mesmo com o garoto do filme, ele vai viver com ela até a velhice, pois ela ñ envelhece. Numa parte do filme o homem pede q ela ñ ande mais com o garoto…ñ era preocupação de pai, era ciúme da “namorada”.

    Curtir

  10. parabens pela sua critica ! ja não é a primeira critica sua que eu concordo em tudo,a narrativa é bem simples, mas meu, esse filme tem1000 interpretações cara ! não vou dar uma de chato e soltar spoilers,mas eu posso dizer que vai ter muita gente surpresa e querendo assistir o filme de novo,eu mesmo ja assisti 3 vezes.ótimo filme !

    Curtir

  11. SPOILER – SPOILER – SPOILER
    LEIA APENAS SE JÁ ASSISTIU AO FILME!!
    Um amigo de uma amiga minha disse que leu o livro( parece frase de lenda urbana hehe).
    De acordo com ele, na verdade o homem mais velho que acompanha Eli é um ex professor pedófilo que nutre um desejo pela vampira e recebe um pagamento para coletar o sangue pra ela. E na verdade Eli é um menino que foi castrado há muito tempo quando ainda era humano.Em posse destas informações dá pra ter uma nova interpretação sobre algumas cenas no filme. Como quando ela diz: “eu não sou uma menina”, e quando Oskar olha Eli nu e vê um corte nas partes íntimas dela.

    Curtir

  12. Ulisses, só a título de contribuição: vc. escreve “feliz” ou “felis”? Não tenha medo de usar o sufixo “mente” ao lado da letra “z”, se ela for a letra correta.

    Curtir

  13. Olá, Rodrigo!

    Antes de assistir esse filme, vaguei muito na internet para coletar opiniões, e muitos fizeram uma comparação totalmente idiota (desculpe a expressão) com Crepúsculo. Tive medo de assistir e ver um romance estúpido e um vampiro homossexual. Então, pesquisei mais ainda e descobri que a maioria das comparações entre esta obra e Crepúsculo eram feitas por adolescentes. Foi aí que minha concepção mudou e tive coragem de assistir o filme.

    [Possíveis spoilers a seguir]
    Realmente, uma obra-prima! Muitíssimas formas de interpretar e o diretor consegue chegar a onde ele quer chegar. É um filme rico em detalhes que faz com que nós – espectadores – criemos vontade de assistir de novo.

    No final do filme, por exemplo, muitas questões ficaram vagas em minha cabeça: o que era aquilo no órgão genital da menina? O “pai” dela tinha morrido, como ela vai conseguir um outro responsável por ela (legalmente falando)?

    Graças à estas perguntas pós-filme foi que eu consegui chegar a conclusões valiosas. E uma delas é que isso não é uma estória fofa. Não, pelo contrário, neste filme estamos lidando com o mal absoluto. Depois de entender tudo de uma forma mais genérica, foi que eu descobri todo o horror que, verdadeiramente, o diretor queria passar.

    E esse final? Nossa, coisa de gênio!
    A partir do momento que o filme não é hollywoodiano, ele passa a ser bom. É claro, não vamos generalizar, mas só fui irônico, porque este é uma obra-prima.

    Parabéns ao diretor e ao nosso crítico.

    Um abraço e, feliz (2) anos novos!

    Curtir

  14. Eu realmente não compreendo o motivo de hollywood fará um remake desse excelente filme.É um filme bastante recente e muito bem feito.Sei lá,deve ser carência por idéias melhores…

    Curtir

  15. Excelente!

    Poético e de uma sensibilidade incrível! A cena da pscina é fantástica! Vi a refilmagem no cinema e – na minha opinião – não ficou ruim. Não se compara à versão original, mas mesmo assim vale a pena assistir.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s