Halloween – O Início

[rating: 2.5]

Nenhum amante de rock’n’roll que se preze pode considerar inteiramente ruim um filme cuja seqüência de abertura acontece ao som diegético do clássico “God of Thunder” (Kiss), em sua gloriosa e aterrorizante versão original, recheada com sinistras vozes infantis e ruídos inesperados. “Halloween – O Início” (EUA, 2007), porém, acende o sinal de alerta. O terceiro longa-metragem de Rob Zombie, dublê de vocalista de banda de heavy metal e diretor de cinema especializado em filmes de horror B de baixo orçamento, investe em toda sorte de clichês dos chamados “slasher movies” para obter algum tipo de resposta emocional da platéia.

Para quem não sabe, os “slasher moviers” compõem uma vertente do horror direcionada a adolescentes, cujos filmes consistem essencialmente de tramas horizontais em que um psicopata assassino persegue um bando de rapazes e moças sedentos de sexo e álcool (drogas ilícitas às vezes entram na equação), matando-os um a um, até ser eliminado por – adivinhe! – o mais pudico e certinho de todos os jovens personagens, quase sempre uma menina. Freddie Kruger (“A Hora do Pesadelo”) e Jason Vorhees (“Sexta-feira 13”) são os “heróis” mais conhecidos desse tipo de filme, muito popular nos anos 1980.

Michael Myers, porém, carrega o privilégio de ter sido o primeiro dessa espécie. O protagonista do filme original, dirigido por John Carpenter em 1978, já levava consigo todos os códigos formais que gerariam outros maníacos assassinos – uma máscara apavorante, o lento caminhar estilo zumbi em direção às vítimas, a aura de indestrutibilidade (experimente dar apenas alguns tiros na cabeça de um desses personagens, e notará que isso nunca é suficiente para matá-lo) e uma leve sugestão de elemento sobrenatural como creme do bolo.

“Halloween – O Início” é, em teoria, uma refilmagem do longa-metragem original. Na prática, está mais para prequel. O diretor, que também assina o roteiro, expande consideravelmente a primeira parte da história original, nos mostrando o contexto no qual floresceu Michael Myers. Ele é uma criança de 10 anos fruto de um lar disfuncional. Sua mãe é dançarina de strip tease, o padrasto não passa de um aleijado veterano de guerra que vive bêbado, cuspindo imbecilidades pela casa, e a irmã só pensa na próxima cena de sexo com o namorado.

Rob Zombie preenche essa parte do filme com o tipo de psicologia de botequim que se espera de uma produção B: como consta de todo manual de comportamento de um assassino em série, Myers tortura pequenos animais, vive calado pelos cantos – não tem vida social, sendo constantemente espancado na escola – e ostenta uma camiseta esfarrapada do Kiss. No lance mais inteligente da escalação do elenco, Malcolm McDowell (o eterno Alex de “Laranja Mecânica”) interpreta o psiquiatra que cuida de Myers durante os 15 anos seguintes, depois que o menino aparentemente inofensivo chacina todo mundo dentro de casa.

Espectadores desavisados que não viram o filme de 1978 poderão passar boa parte do tempo imaginando que insanidade intrínseca aos olhos violentamente azuis de McDowell sugerem uma ligação afetiva (sexual não, por favor) entre ele e o assassino, o que ajuda um bocado a amortecer a encenação de segunda categoria bolada por Rob Zombie. Todas as cenas, até mesmo as mais rápidas e simples, são coalhadas de efeitos sonoros não-naturais, como se DJ especialista em percussão eletrônica estivesse acompanhando o filme em tempo real. A prática dilui todos os possíveis sustos que o filme poderia oferecer.

Zombie trata de preencher a trama com todo tipo de clichê de gênero possível, de forma que a simples visão de um casal fazendo sexo (não importa quem) já os credencia automaticamente a virar carne moída nas mãos de Michael Myers. O filme tampouco deixa claro quem é a heroína (e principal candidata a aniquiladora do monstro, cuja aura sobrenatural foi extraída a golpes de porrete). Bem, se você prestar atenção direitinho, tem uma garota ali no meio daquele bando de taradas juvenis que não possui namorado e nem está doida para ter um, ou seja… sim, você entendeu.

Se há um elemento de interesse em “Halloween – O Início”, é o ponto de vista narrativo adotado pelo diretor e roteirista: o ponto de vista do assassino. Em quase todos os slasher movies, o espectador acompanha as vítimas, de modo que cada aparição do matador prega um susto na platéia. Rob Zombie, ao contrário, acompanha Michel Myers do começo ao final; justifica seus atos de violência (com a já citada psicologia de botequim), e demonstra um carinho insuspeito pelo personagem, dando ao personagem de McDowell a função narrativa de expressar esse carinho/compreensão dentro do filme. Este ponto de vista, por mais duvidoso que posssa parecer, é o único elemento que separa “Halloween – O Início” das dezenas de longas-metragens similares produzidos todos os anos.

Em tempo: a versão lançada (melhor seria usar a expressão arremessada) nos cinemas brasileiros tem 24 minutos a menos do que a edição mostrada nos cinemas dos EUA, em que boa parte das cenas de violência gráfica (que são muitas, sempre cheias de sangue) e nudez feminina frontal (uma, bastante generosa) foram retiradas. Pior ainda é que, em DVD importado, há uma terceira versão contendo 12 minutos a mais do que o filme mostrado nos cinemas de lá. Bizarro, para dizer o mínimo.

No DVD nacional PlayArte, que não teme extras e preserva imagem (wdiescreen anamórfica) e áudio (Dolby Digital 5.1) originais, a versão presente é mesma exibida nos cinemas dos EUA.

– Halloween – O Início (EUA, 2007)
Direção: Rob Zombie
Elenco: Malcolm McDowell, Scout Taylor-Compton, Daeg Faerch, Tyler Mane
Duração: 109 minutos (versão normal e em DVD nacional), 121 minutos (versão do diretor), 85 minutos (nos cinemas brasileiros)

Anúncios

13 comentários em “Halloween – O Início

  1. Disparado um dos piores filmes da história do cinema… Até mesmo as continuações toscas do filme original parecem clássicos em comparação! Ao menos tinham algum charme trash e o bom senso de não se levarem a sério. Zombie pode até ser um bom músico, não sei, mas como cineasta é uma anta… e uma anta pretensiosa, o que torna tudo mais patético. Adoraria saber a opinião do John Carpenter a respeito dessa catástrofe… mas eu não teria coragem de perguntar… ; )

    Curtir

  2. Fiqui curioso em ver. Mas acho que só em DVD, porém queria ver a versão completa. Por pior ue seja na maioria das vezes esses filmes são divertidíssimos são parte da minha infância (sim, infância vi com meu irmão todos os Jasons, Freedies e Myers entre 7 e 12 anos e, sim, cresci aparentemente normal, embora na aula de artes da escola eu desenhasse eles frequentemente deixando uma professora preocupada) .

    Eu não sei onde já li mas tem uma interpretação interessante sobre esses filmes bem cristã/moralista: como o Rodrigo mesmo disse, só a jovem boazinha, pudica é quem mata o monstro, os que comentem pecado (sexo bbida e diversão) vão todos pro inferno pelas mãos do assassino (ele seria a punição cristã em pessoa)…é uma leitura interessante.

    Curtir

  3. Eu particularmente gosto muito da versão original de Carpenter de 1978. Tenho o dvd em casa. Mas confesso que estou curioso em ver esse remake.
    Não sei se o Rodrigo gosta do original, gosta??

    Curtir

  4. o mais lamentável desse filme é Zobie tentar explicar o inexpilcável. O mal. Michael Myers é ruim e ponto. Não é porque tem um padrasto bêbado, uma mãe striper e uma irmã vadia. Algumas cenas, como a cena final, funcionam, embora a segunda parte do filme mostra-se sempre muito corrida. O filme do Carpenter é uma aula de medo. Esse aqui é, no mínimo, sendo bonzinho igual ao menino Myers, irregular.

    Curtir

  5. Achei o filme bem agradável, nunca comparando ao original. Zombie é um adepto do trash e deu a Halloween uma cara mais suja. O aspecto psicológico foi bem realizado, não tão profundo como deveria, mas no ponto certo para que o público médio compreenda. A versão do diretor é bem sangueira, mas aquém dos outros filmes de Zombie. Tem menos sustos e mais correria. O erro que pesou a mão foi nunca Laurie saber que Mike Meyers era seu irmão. Prefiro ver esse filme do que as refilmagens USA sem imaginação dos filmes de horror asiáticos.

    Acredito que Rob zombie esteja em treintamento, fazendo filmes regulares e outros bons. Um dia ele consegue um clássico. Cinema também é exercício.
    Abraços

    Curtir

  6. credo não sabia que no Brasil o filme havia passado com um corte tão monstruoso!
    não gostei, a versão do carpenter é absoluta p esse filme, não sei pra que refilmaram esse…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s