Entre o Céu e o Inferno

[rating:3]

À primeira vista, “Entre o Céu e o Inferno” (Black Snake Moan, EUA, 2007) dá a impressão de ser um daqueles filmes independentes, de enredo esquisito, que forçam a barra para serem “diferentes”, e acabam sendo mais do mesmo. Na prática, porém, o drama independente de Craig Brewer (“Ritmo de um Sonho”) acaba se revelando uma surpresa de relativo interesse, atrapalhada apenas por excesso no campo do estilo – há música demais, edição demais, efeitos de iluminação/montagem demais. Se eliminados os excessos, contudo, o que sobre é uma história de redenção, que focaliza dois personagens solitários apoiando-se um no outro para superar traumas.

A história é narrada do ponto de vista de Lazarus (Samuel L. Jackson), velho guitarrista de blues que ganha a vida com uma plantação na zona rural de uma pequena cidade no sul dos EUA. Certo dia, Lazarus encontra uma garota desmaiada na estrada do sítio. Ela é Rae (Christina Ricci), jovem junkie e ninfomaníaca, surrada na noite anterior por um amigo do namorado (Justin Timberlake), um recruta do Exército que acaba de ir servir no Iraque. Triste com a viagem do rapaz, Rae só consegue suprir a ausência dele cedendo ao desejo incontrolável que nasce de traumas do passado: sexo sem freios, com qualquer sujeito que apareça pela frente, sempre tomando todas e ficando chapada.

Lazarus, que também não vem lidando muito bem com seus próprios problemas (não aceita a separação exigida pela esposa, que ainda por cima começa a namorar o próprio irmão dele), enxerga na aparição inesperada de Rae uma espécie de mensagem divina, e decide “exorcizar” os demônios interiores da menina. Como ela não quer ser curada, precisa fazê-lo à força, prendendo uma corrente na cintura da moça e amarrando-a no aquecedor da casa. Entre acessos de fúria e crises causadas pela abstinência sexual forçada, Rae começa a se afeiçoar ao músico. A aproximação entre os dois não é fácil, mas promete render bons frutos a ambos – desde que eles consigam superar os desentendimentos, algo não exatamente simples.

De certa forma, a narrativa de “Entre o Céu e o Inferno” trai muitas semelhanças com o filme anterior de Craig Brewer, o elogiado “Ritmo de um Sonho”. Nos dois casos, o diretor conta a história de pessoas “do mal” que são redimidas pela música. A diferença é o ritmo – rap no primeiro longa, blues no outro. Samuel L. Jackson, que aprendeu a tocar guitarra exclusivamente para o papel, realiza uma bela interpretação. Christina Ricci, que emagreceu bastante e aloirou os cabelos para incorporar a personagem, faz aquilo que sabe melhor: o papel de uma doidinha inofensiva que, apesar dos defeitos, acaba provocando empatia junto à platéia.

Ela passa metade do filme vestindo apenas uma calcinha branca e uma camiseta rasgada, e esta imagem bem feminina (acrescida da grossa corrente que adorna a cintura dela) é de certa forma prejudicial, porque transforma a personagem numa espécie de fetiche masculino ambulante, algo infelizmente ressaltado em algumas cenas equivocadas (confira o trecho em que Rae tenta seduzir um adolescente, forçadíssimo). Além disso, Brewer perde bastante tempo enfatizando as perturbações da garota, através de seqüências de sonho/pesadelo que abusam de trechos de canções. A trilha sonora, repleta de clássicos blues às vezes elétricos, às vezes acústicos, é de ótima qualidade, mas o excesso acaba tornando o tom geral meio histérico.

Mesmo com os defeitos, “Entre o Céu e o Inferno” é um filme interessante, com uma dinâmica muito boa entre os atores e algumas seqüências eficientes. A melhor de todas é o momento (musical, para variar) que marca o clímax do filme, com Lazarus pegando a guitarra em cima de um palco após anos de aposentadoria, como se fosse um morto ressuscitado (provavelmente vem daí o nome do personagem). Sem muitas palavras, Brewer cria um momento essencialmente cinematográfico, uma metáfora coerente para o exorcismo de um trauma que teimava em grudar na alma dos dois protagonistas. Um pouquinho mais de silêncio e delicadeza não faria mal, mas mesmo assim o resultado é positivo.

O DVD, da Paramount, vem sem extras, mas com qualidade de imagem (widescreen 2.35:1 anamórfica) e áudio (Dolby Digital 5.1) muito boa.

– Entre o Céu e o Inferno (Black Snake Moan, EUA, 2007)
Direção: Craig Brewer
Elenco: Samuel L. Jackson, Christina Ricci, Justin Timberlake, S. Epatha Merkerson
Duração: 116 minutos

Anúncios

Um comentário em “Entre o Céu e o Inferno

  1. samuel l. jackson é um dos meus atore favoritos,sempre torço por um bom filme dele,apesar de ultimamente isso se tornar cada vez mais dificil.mas eu tamben gostei do filme,samuel e Christina Ricci estam muito bem no filme,mas voce tem razão,o diretor passa muito tempo tentando ser estiloso quando poderia apostar em um filme mais profundo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s