Mad Max

[rating:4]

A despretensiosa aventura apocalíptica “Mad Max” (Austrália, 1979) tornou-se, quase sem querer, um das obras mais importantes já produzidas no país dos aborígenes, sendo responsável pelo lançamento de duas das mais respeitáveis carreiras de cineastas locais: o astro Mel Gibson (depois também diretor de talento) e o cineasta George Miller (“Happy Feet – O Pingüim”). Trata-se de um longa-metragem feito sob medida para amantes de carros e motos, uma espécie de “Sem Destino” (1969) com violência e sem LSD. Visto em retrospectiva, no entanto, o filme é diversão garantida e ótimo exemplo de como é possível fazer boas aventuras sem orçamentos decentes.

“Mad Max” (a tradução da expressão seria algo como “Max, o Louco”, e refere-se ao personagem principal) foi filmado com a bagatela de US$ 350 mil, quantia ridícula para um trabalho em que dezenas de carros e motos são destruídos sem piedade. O truque do diretor George Miller para alcançar esta proeza foi simples: com um número limitado de veículos fuleiros, ele mandava remendar a carroceria e pintar cada carro depenado nas tremendamente realistas cenas de perseguição, usando o mesmo veículo repetidas vezes. O resultado funciona maravilhosamente, a ponto de fazer os filmes de Jerry Bruckheimer (produtor especialista em filmes com cenas de destruição de carros) parecerem espetáculos pirotécnicos sem garra.

A alma do filme é, sem dúvida, Mel Gibson, o ator perfeito para interpretar o maluco Max, policial num incerto futuro apocalíptico, que patrulha as estradas do deserto australiano com um carrão turbinado que dirige de forma radical. Os insanos e determinados olhos azuis do ator, filmados em close pelo talentoso George Miller, dão mesmo a impressão de um sujeito sem um pingo de medo. A impressão é reforçada pela excelente introdução do personagem, na brilhante seqüência inicial, um exemplo muito bom de caracterização de um protagonista.

Max não aparece nos primeiros minutos. Quem aparece é um desordeiro maluco, que cruza uma estrada como uma flecha, arrasando vários carros da polícia e gargalhando como um doido. As tomadas de perseguição, que incluem a transformação de vários veículos em latas usadas de sardinha, é perfeitamente realista. As maluquices do sujeito duram até o momento em que ele vê, com o rabo do olho, o carro de Max – e aí começa a chorar de medo. Como assim? Até então, o espectador não sabe nada sobre Max. Quem seria esse policial que, metido num casaco de couro preto e com um par de óculos escuros, capaz de fazer um sujeito tão destemido mijar nas calças? Os dois minutos a seguir dão uma boa amostra do que o agente da lei é capaz. Beleza.

O escopo segue fielmente a trilha do “filme de vingança”: homem tem a família dizimada por um bando de desordeiros e parta para o pau. Mas há uma falha grave: a ação demora um bocado a engrenar, e na hora em que Max cai na estrada enfurecido como um urso faminto, restam apenas 15 minutos de filme. Na prática, significa que o segundo ato (a tragédia sendo armada e a preparação da vingança) é longo demais, enquanto o epílogo passa como um raio. Além disso, os vilões são fracotes, e jamais passam a impressão de que ameaçam de fasto a vida do herói. De qualquer forma, as qualidades – e isso inclui o panorama desolador de um futuro analógico e sujo de óleo diesel, que influenciou desde então dezenas de longas-metragens – redimem os defeitos com folga.

O DVD simples é um lançamento Warner. O disco traz apenas o filme, sem qualquer extra, mas com boa qualidade de imagem (widescreen anamórfica) e som (Dolby Digital 5.1).

– Mad Max (Austrália, 1979)
Direção: George Miller
Elenco: Mel Gibson, Joanne Samuel, Hugh Keays-Byrne, Steve Bisley
Duração: 93 minutos

Um comentário em “Mad Max

  1. Vilões Fracotes??? Não concordo. Ótimo trabalho do ator indiano Hugh Keays-Byrne como o vilão sádico Toecutter. Também acho que as partes meio paradonas de Mad Max desenvolve muito bem um clima de suspense e terror. A ótima trilha antiquada e agressiva do compositor já falecido Brian May, fecha esse filme com nota 7,5.

    Na minha humilde opinião.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s