Cárcere e a Rua, O

[rating:2.5]

“O Cárcere e a Rua” (Brasil, 2004) é um documentário em longa-metragem que se insere dentro de um dos temas preferidos dos cineastas brasileiros contemporâneos, trabalhem com ficção ou com a realidade: a vida dentro das prisões. A diferença, neste caso, é que o filme foi realizado por uma mulher, estreante no ofício, e de um ângulo diferente, já que Liliana Sulzbach opta por enfocar a difícil transição entre a liberdade das ruas e as duras condições de vida dentro do cárcere.

Depois de entrevistar mais de uma centena de presidiárias de Porto Alegre (RS), a diretora decidiu realizar o filme a partir das trajetórias de três delas. Para tanto, acompanhou o dia-a-dia do trio durante mais de dois anos, registrando tudo em câmeras digitais. Dessa forma, elaborou um retrato pungente do processo de adaptação do ser humano a condições de vida completamente diversas.

Em meio a depoimentos reveladores, que muitas vezes desnudam um quadro de confusão mental, a diretora conseguiu um fio narrativo bastante incomum. As três entrevistadas são pessoas muito diferentes entre si, mas compartilham de algo, que é a solidão e o medo de enfrentar uma vida desconhecida. É um processo curioso: não importa se as mulheres estão saindo ou entrando na cadeia, a reação é sempre a mesma – rejeição à nova condição.

Tome o caso de Daniela, 19 anos, acusada de matar o próprio filho. Nos primeiros dias de prisão, tem medo de sofrer violências, acha que não vai aguentar a vida na cadeia e cai em prantos. Em determinado momento, suas barreiras estão no chão, e ela chora copiosamente, um desespero de dar nó na garganta. Nove meses depois, sua mente já ergueu novas defesas. Agora, Daniela não se importa mais com o resultado do julgamento. Ela ocupa as tardes escrevendo cartas caprichadas para desconhecidos, e as enfeita com desenhos e mentiras deslavadas, que conta com um riso maroto no canto da boca.

Cláudia, 54 anos, está no lado oposto. Após 28 anos de prisão, ela está prestes a sair, mas não se sente apta a enfrentar as ruas. A equipe de filmagem acompanha seu primeiro passeio de ônibus, e colhe imagens arrasadoras: a mulher se perde várias vezes, fica constantemente impressionada pelas mudanças radicais na paisagem urbana, fala baixo e não olha as pessoas a quem pede orientação nos olhos. Também não consegue reatar seu relacionamento com o filho, a quem não vê desde criança. Cláudia é taciturna e tem consciência de jamais vai se reintegrar de fato à sociedade, mas viverá à margem dela; aceita isso com resignação.

A terceira entrevistada é Betânia. Ela tem 28 anos e também está perto de sair da prisão, após pouco menos de três anos encarando o cárcere. A prisão ainda não lhe deixou marcas profundas, como em Cláudia, mas ela está no caminho para isso. É interessante perceber como ela lida com a sexualidade, tornando-se lésbica na prisão – e jurando jamais sair de novo com um homem – e arrumando sucessivos namorados, somente alguns dias depois de ganhar a liberdade.

Se é pobre do ponto de vista técnico – as imagens, captadas com câmeras ruins não têm profundidade, o tratamentom de cores é horrível e o som às vezes fica inaudível, o que obriga a diretora a colocar legendas –, “O Cárcere e a Rua” compensa com muitos momentos emocionantes. “O Cárcere e a Rua” não é um documentário jornalístico e nem um show de entretenimento no estilo de Michael Moore. Faz denúncia social sóbria, e observa a alma de pessoas humildes com olhar compreensivo, mas sem pena ou, pior, vontade de denuncismo.

“O Cárcere e a Rua” é um retrato do sistema penitenciário brasileiro, e mais do que isso. O filme questiona os resultados do encarceramento como forma de punir desvios sociais – será que um período afastado do convívio recupera uma mente criminosa? – mas também documenta a extraordinária capacidade que a mente humana tem de se adaptar, mesmo sob as mais adversas circunstâncias. Uma estréia promissora.

O DVD da Europa Filmes é OK. O enquadramento correto (wide letterboxed) foi preservado, e há trilha de áudio em cinco canais (Dolby Digital 5.1). Um making of e um spot de TV constam como extras.

– O Cárcere e a Rua (Brasil, 2004)
Direção: Liliana Sulzbach
Documentário
Duração: 80 minutos

5 comentários em “Cárcere e a Rua, O

  1. Perdi uma pequena parte do filme.

    Belo e triste ao mesmo tempo.

    Muito bem feito,não vi os defeitos apontados aqui.

    Vi com olhos humanos…não técnicos.

    Faltou saber o que fez Claúdia para ficar presa

    por tanto tempo.

    Dos 54 anos de vida,28 ficou encarcerada.

    Obrigada.

    Curtir

  2. Acredito, que Cláudia tenha matado alguém…
    Foram anos de prisão, embora passar ser uma pessoa maravilhosa.
    Ela protejeu até onde deu Daniela, que supostamente matou o filho, mas como
    ela pensava “Cláudia”… Dani iria eloquecer.
    Um momento ela disse: que na cadeia nada aprendeu, depois no outro dia disse: aprendi muito e muito!

    Bjs,
    Ru Aisó

    Curtir

  3. A Claudia matou uma criança, assou e serviu aos pais. Ao contrário do disseram no filme, ela não era respeitada pelas outras presas, e sim rejeitada, tanto que ficava separada.

    Curtir

  4. Liliana,
    Fizestes, junto com a equipe, um filme maravilhoso!
    Conseguistes dar uma dimensão dos fluxos identitários humanos…sob uma ótica das “grades e das liberdades”. Muitos já tentaram e não conseguiram essa façanha!
    Belo e contagiante esses “relatos de vida” nos colocam dentro da história; e, sob certo aspecto, desnudam nossa impotência e indiferença coletivas; não unicamente relacionado aos que nós consideramos lixo humano, mas àqueles que estão aparentemente livres, ao nosso lado…
    Fiquei triste com o suicídio da Cláudia…
    Deixo meus parabéns pela obra.
    Assistam e não se deixem isolar pelas grades cotidianas.
    Glade

    Curtir

  5. CLÁUDIA fugiu de casa aos 14 anos para morar em POA, passou fome e roubou, esteve presa tres vezes, na 2ª vez por 4 anos e 6 meses, quando o filho tinha 2 anos. Na ultima foi presa por latrocinio(art. 157, § 3º, CP -Roubo seguido de morte), dos 54 anos que tinha 28 ficou presa. Fez 17 anos de regime fechado e tinha ao sair pro semi aberto 9 anos a cumprir.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s