Cova Rasa

[rating:4]

Três amigos inseparáveis descobrem que o inquilino responsável pelo aluguel de um quarto vago no apartamento onde moram está morto e deixou, de bandeja, uma mala cheia de dólares. O que devem fazer? Com base nessa trama esquálida, o diretor escocês Danny Boyle dirigiu um pequeno filme engraçado e, ao mesmo tempo, assustador, que o fez iniciar uma das carreiras mais ligadas ao cinema pop dos anos 1990. “Cova Rasa” (Shallow Grave, Escócia, 1994) continua a ser considerado, por muita gente, como o trabalho mais bem acabado do diretor.

Considerando que Boyle faria na seqüência o cult “Trainspotting”, o elogio não é pequeno. Mas é merecido: “Cova Rasa” pode ser visto como um sombrio estudo do lado escuro da natureza humana, um filme sobre como a cobiça pode transfigurar o ser humano. Você pode pensar em “Cova Rasa” como uma versão pop do clássico “O Tesouro de Sierra Madre”, com humor negro roubado dos irmãos Coen. Essa é é uma descrição muito precisa do longa-metragem escocês. Curto, ágil, com boas atuações do elenco então desconhecido (Ewan McGregor e Christopher Eccleston ficaram famosos depois), o filme surpreende pele rumo pouco previsível do roteiro e, principalmente, pelo humor doentio, que contribui bastante para torná-lo uma obra ainda mais admirada por platéias jovens.

É natural que “Cova Rasa” seja visto com mais simpatia pelos jovens. Os três co-protagonistas de longa-metragem são todos jovens, e a inteligente seqüência inicial provoca forte empatia (ou antipatia, dependendo da sua idade e de seus hábitos) com a platéia. Os três, dois rapazes e uma moça, entrevistam diversos candidatos para ocupar o quarto vago no apartamento em que moram. Eles contam piadas, tiram sarro e irritam os possíveis locatários. O objetivo é encontrar alguém que tenha humor e preferências parecidos com os deles. O escolhido é Hugo (Keith Allen).

Na manhã seguinte, Hugo está morto. Tomou uma overdose de drogas na própria cama. Os três amigos descobrem o ocorrido e acabam percebendo que Hugo possui uma mala cheia de dólares. Como ele está lá há apenas um dia, e não teve tempo de avisar a ninguém sobre a nova moradia, o trio percebe que está diante de uma oportunidade: eles podem ficar com o dinheiro, se encontrarem alguma maneira de se livrar do corpo de Hugo. Isso, porém, fere a lei; não seria assassinato, mas seria crime de todo modo. O que fazer?

A tentação é grande. A médica Juliet (Kerry Fox) quer ficar com o dinheiro, e se coloca à disposição para incinerar o corpo do morto no hospital onde trabalha. O problema é o transporte. Os três percebem rapidamente que terão que desmembrar o cadáver. O jornalista Alex (Ewan McGregor) e o contador David (Christopher Eccleston) têm que tirar a sorte para ver quem vai fazer o trabalho sujo. O ganhador ainda terá que levar os pedaços do corpo até o hospital, assim como enterrar as sobras. Jogo duro, não?

Isso tudo, no entanto, é só o começo. Trabalho feito, os três jovens percebem rapidamente que o dinheiro pode até ter resolvido alguns problemas, mas certamente criou outros. Detetives surgem no apartamento à procura do morto. Outros homens, parecendo mais violentos, também; talvez a fonte do dinheiro não fosse exatamente lícita. As ameaças externas, no entanto, não são piores do que o desconforto que a desconfiança mútua dos três traz para todos eles. A amizade tão contagiante e intensa, demonstrada na primeira cena do filme, está arruinada. Para sempre?

“Cova Rasa” tem muita influência dos filmes dos irmãos Coen, e o mesmo senso de humor negro, mas uma atmosfera diferente – mais sombria, mais pessimista. A visão de mundo de Danny Boyle, ou sua opinião sobre as virtudes da humanidade, não são positivas, como fica claro quando se observa a obra posterior do diretor. Filmes como “Extermínio” ou o bombardeado “A Praia” compartilham com “Cova Rasa” a convicção de que a natureza humana tende perder o controle sobre as coisas quando se deixa contaminar pela cobiça. O final inteligente e original e a condução bem feita da tensão que permeia o filme – as cenas que envolvem o sótão do apartamento são particularmente claustrofóbicas e perturbadoras – fazem de “Cova Rasa” um trabalho maiúsculo.

Curiosamente, “Cova Rasa” jamais foi lançado no Brasil em DVD. Existe em antigas edições em fitas VHS, e passa com regularidade em sessões de madrugada na TV, mas não pode ser encontrado no formato digital. Nos EUA, a edição é simples: contém o filme (imagem widescreen, trilha de som Dolby Digital 5.1) e um trailer, sem nenhum extra de maior fôlego.

– Cova Rasa (Shallow Grave, Escócia, 1994)
Direção: Danny Boyle
Elenco: Ewan McGregor, Christopher Eccleston, Kerry Fox, Ken Stott
Duração: 93 minutos

Anúncios

7 comentários em “Cova Rasa

  1. Um filme que mostra claramente o que nós seres humanos somos capazes de fazer movidos pelos sentimentos mais sórdidos existentes em nosso íntimo.
    Acho um filme extremamente inteligente, um dos meus preferidos e indico como um suspense muito bom.

    Curtir

  2. Assisti este filme no cinema e achei muito interessante, jovens e bons atores e um suspense que prende a atenção do início ao clímax final, pena nunca ter sido lançado em dvd no brasil. Quem gostou deste talvez goste também da MENINA MÁ.COM.

    Curtir

  3. Acabei de assistir e concordo plenamente quando você disse que é uma versão pop do clássico “O Tesouro de Sierra Madre”, com humor negro roubado dos irmãos Coen.É um filme compacto com história bem contada,suspense na medida certa e final surpreendente e pasmem…o meu dvd é um lançamento nacional de um selo chamado New Way Filmes e contem como extras um making of e duas entrevistas,uma com Danny Boyle e a outra com Ewan Mcgegor.

    Curtir

  4. Comprei hoje o DVD em loja física do Saraiva. A qualidade de imagem está MUITO BOA !!!
    Nos U.S.A. já tem em Blu-ray, e pelo comentário do site Highdef Digest a qualidade da imagem está ESPETACULAR !!! Ganhou 4.5 estrelas !!!
    Espero que saia por aqui !!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s