Camila Morgado

A atriz Camila Morgado tem 28 anos e é uma descoberta pessoal do diretor Jayme Monjardim. Depois de defender um papel de destaque na minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, ela viu a carreira decolar e recebeu o primeiro convite para participar de um filme. Os desafios não eram poucos: “Olga” tem cara de superprodução, mas o projeto foi tocado em relativamente pouco tempo, o que gerou na novata muita ansiedade.

A entrevista a seguir foi feita nos estúdios da Rede Globo Nordeste. Enquanto aguardava para participar de uma entrevista ao vivo na TV, Camila conversou com o Cine Repórter sobre a preparação para “Olga”, as filmagens e até a sensação de ser uma falsa mãe. Concentrada, Camila gosta de falar um bocado, gesticula muito e encara o entrevistado olhando dentro dos olhos.

Como é que você entrou no projeto de “Olga”? Houve algum teste?
O grande teste foi a Manoela de “A Casa das Sete Mulheres”. Foi a partir daí que o Jayme Monjardim me chamou. No meio da minissérie, começaram a rolar uns boatos, mas não tinha nada certo. O Jayme uma vez me falou que eu era uma forte candidata. Aí, mais ou menos um mês depois da minissérie, ele me chamou e disse que eu iria fazer a Olga. Então, a Manoela foi o teste. Acho que a Manoela abriu a porta e a Olga entrou (risos).

Você teve tempo suficiente para se preparar?
Eu já conhecia o livro de Fernando Morais. Assim que o Jayme me chamou, eu reli o livro. Aí comecei a estudar a parte histórica. Li um monte de livros sobre a revolução russa, sobre a história do Brasil no século XX, sobre a Segunda Guerra Mundial. Depois é que começaram os preparativos para o filme em si. Tive aulas de tiro, treinamento militar para ganhar músculos, aulas de alemão para treinar sotaques. Nesse treinamento, fiquei dois meses e meio. Saí dele direito para filmar.

Esse tempo é normalmente curto para um longa-metragem. Deve ter sido muito rápido…
Muito rápido! Quando o Jayme me falou, comecei a estudar enlouquecidamente. Eu vi muitos filmes, sempre busco inspiração dos filmes. Comecei a procurar por músicas da época, fiz leituras. Foi uma corrida contra o tempo. Quando eu comecei a fazer o treinamento físico para o filme, tinha a agenda totalmente lotada. De manhã eu estava no Exército, de tarde ia para as aulas. Eu não parava. Fiquei cinco meses nesse ritmo louco para que o resultado final ficasse bom.

E te agradou?
Eu gosto muito. Principalmente porque eu me identifique muito com a personagem, aprendi a amá-la. Eu costumava dizer que, se “Olga” não funcionasse para o cinema, estava funcionando para mim.  É o meu primeiro filme, eu não tenho experiência no cinema, mas me marcou demais, me ajudou muito a me auto-conhecer. Quanto ao filme, eu não consigo descolar do personagem e assisti-lo com distanciamento suficiente. Ele ainda está muito recente. Só posso dizer que me emociona.

Você é mãe, Camila?
Não. Por quê?

É que as cenas da tua gravidez parecem ser as mais fortes do filme, elas provocam uma emoção visível na platéia…
É verdade. Eu sabia disso desde que li o roteiro pela primeira vez. Minha primeira providência foi logo descobrir em que momento das filmagens iriam acontecer as cenas do hospital. Aquela semana iria ser muito delicada e especial. Quando as filmagens daquelas cenas começaram, a gente estava filmando havia dois meses, e durante todo esse tempo eu nem dormia direito, pensando nessa semana. Porque aquele momento representa toda a trajetória de Olga: a Olga militante, a Olga mulher, a Olga mãe, está tudo ali.

Eu acho que é o momento em que as defesas dela finalmente desabam…
Pois é! E ao mesmo tempo ela tinha que ser agressiva e delicada. Tinha que ser um bicho, porque estavam roubando o filho das mãos dela. E tinha que ser delicada com a criança, que é um bebê. Antes de filmar eu fiquei muito nervosa, sabe? Aí decidi que iria fazer o máximo para interagir com a criança. Eu não podia fazer nada mais do que acompanhar a interpretação dela e improvisar. Pensei: “vou prestar muita atenção nessa criança porque ela vai me trazer esse frescor, essa novidade, essa emoção”. Eu me lembro que, na hora do parto, eu peguei o bebê no colo e ele sorriu. Foi de verdade! Fiquei completamente desarmada! Na cena da separação, em que a criança já está maiorzinha, ela se agarrou na minha cintura e falou “mamãe!”. Não estava no roteiro, e me emocionou totalmente. Essas coisas são maravilhosas…

Como é o processo de se despir da vaidade e raspar o cabelo, para uma mulher?
Isso foi a melhor coisa de “Olga” para mim. É muito difícil a gente conseguir ter esse despojamento. Hoje, quando eu vejo o filme, fica óbvio para mim que eu estava ali sem vaidade, sem pudor, porque me apaixonei por essa mulher. Quando me falaram pela primeira vez que eu ia ter que raspar o cabelo, minha reação foi “Meu Deus!!!”. Depois, relaxei. De certa forma eu tinha vontade de raspar a cabeça, só que nunca ia ter coragem, então a hora era aquela mesma. Mas à medida que o filme evoluiu, comecei a ficar ansiosa. Queria raspar o cabelo logo! Aí comecei a pensar que tudo aquilo fazia parte de um ritual, sabe? Porque era o meu primeiro papel no cinema, e eu amo cinema! Era um ritual de iniciação, coisa de destino mesmo. Os monges não raspam a cabeça para se iniciar no budismo? Então, raspar a cabeça era o meu batismo no cinema!

E quando as filmagens acabaram, foi difícil descolar do personagem?
Isso foi o mais difícil. Quando a gente terminou de filmar eu estava que nem um vulcão, no maior pique há quase três meses. O filme acabou, e eu ainda estava naquele pique. Daí eu acordava toda manhã, me olhava no espelho e pensava: “Estou horrorosa!”. Durante as filmagens eu tive que deixar todos os pêlos do corpo crescerem, pintar tudo de preto. Emagreci, tinha olheiras. Fiquei horrível (risos). Aí a ficha começou a cair. Depois, eu dei de cara com o meu quarto. Não era mais o meu quarto; era o quarto de Olga, cheio de livros, roupas, fotos, tudo ligado à personagem. Quando acabou, eu estava totalmente desgastada emocionalmente, cansada, arrasada. Para um ator, acho que esse é o pior momento. É como a cena da retirada da criança. O filme era minha criança, e tinha sido retirado de mim. Mas faz parte do processo, né? Acontece (risos).

Anúncios

5 comentários em “Camila Morgado

  1. Sou um fã muito louco daCamila Morgado,que considero uma excelente atriz ,além da exuberante beleza física,que desfila pelo vídeo.
    A Rede Globo deveria escalar mais a Camila,pois Qualidade de atriz ela tem de sobra.
    Eu ficaria muito feliz se pudesse receber uma resposta dela.
    Um beijão para você minha bela Camila.

    Curtir

  2. Rodrigão, tá tudo mto bom, tá tudo muito bem; a tua entrevista foi sensível e delicada, etcetera e tal… Podia ser diferente com esse primor de pessoinha que é a Camilinha? Só atente para o detalhe – ela não é gaucha. mas fluminense de Petrópolis, quinem eu.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s