Oito e Meio

[rating:4.5]

“Oito e Meio” (8 ½, Itália/França, 1963) permanece, desde o lançamento, como um dos filmes favoritos de cineastas e estudiosos da Sétima Arte. Muitos espectadores comuns, por outro lado, têm implicância com o filme; o acham frio, incompreensível, confuso, lento. De certa forma, “Oito e Meio” reflete o divórcio entre as opiniões de crítica e público que, justo a partir da década de 1960, começou a ser irremediavelmente ampliado. O longa-metragem está disponível em DVD no Brasil em uma excelente edição restaurada da distribuidora Versátil.

Antes de analisar as imagens geradas por Fellini, é preciso examinar as condições históricas em que “Oito e Meio” apareceu. O filme foi o segundo realizado pelo cineasta italiano a partir do ponto de ruptura fundamental de sua carreira. Até o fim dos anos 1950, Fellini era um representante exemplar da principal escola de cinema nascida na Itália, o neo-realismo; a obra máxima desse período é “Noites de Cabíria”. Os diretores da escola (Roberto Rossellini, Luchino Visconti) pregavam que o cineasta devia registrar a realidade de maneira fiel, com o mínimo possível de intervenção estética.

A partir de “A Doce Vida” (1961), Fellini começou progressivamente a abandonar essas regras rígidas. Cada vez mais interessado no processo fragmentado de construção de idéias a partir do subconsciente, com ênfase especial nas memórias de infância, Fellini passou a despreza a narrativa. Fez isso passando a incluir seqüências oníricas e imagens nostálgicas sem ligação aparente com os enredos. Eventualmente, os filmes dele acabariam por se transformar em puros disparates alucinatórios (“Cidade das Mulheres”, de 1980). Na época de “Oito e Meio”, Fellini ainda não tinha ido tão longe. Mas já desafiava as regras clássicas da narrativa do cinema.

Em “Oito e Meio”, ele transformou em filme um bloqueio criativo verdadeiro, que vivia na ocasião. Em outras palavras, Fellini criou o que muitos artistas fazem em momentos de desespero profissional: uma obra de arte que reflete a angústia do criador, num momento em que não se sente capaz de criar um trabalho decente. Guido (Marcelo Mastroianni) é o alter ego do cineasta. Ele se esconde, dos atores e da equipe técnica, atrás de um par de óculos escuros. Prestes a filmar um épico de ficção científica, Guido não sabe mais que rumo tomar no filme, e parece francamente desinteressado em fazê-lo. Ainda por cima, vê a vida pessoal – mulher (Ainou Aimée) e amante (Sandra Milo) cruzam uma com a outra nas ruas da cidade onde filme – atropelar o trabalho.

Um dado interessante: a última pesquisa que a influente revista britânica Sight & Sound realizou sobre os maiores filmes de todos os tempos, em 2002, apontou “Oito e Meio” na nona posição. Mas, quando computados apenas os votos de cineastas, o filme de Fellini sobe para terceiro, contando com votos de gente de prestígio, como John Boorman, John Waters e Theo Angelepoulos. A mensagem é clara: “Oito e Meio” é um filme que os diretores adoram, porque reflete as dúvidas, as tensões, as angústias de fazer cinema – reflete, em última instância, as desordens internas do artista.

Se o espectador comum rejeita “Oito e Meio”, o faz por ser obrigado por Fellini a assimilar um ritmo e uma narrativa completamente exóticos. A rigor, não existe trama; o filme é uma espécie de diário filmado das sensações, desejos, sonhos e pensamentos de Guido. As imagens refletem não as coisas como elas são, mas a maneira como Guido as vê – e isso inclui delírios como a brilhante seqüência em que o diretor imagina todas as mulheres do filme (até mesmo as coadjuvantes mais imperceptíveis) como moradoras de um harém em que ele é o sultão. “Oito e Meio” flagra Fellini no ápice da mistura de sonho e realidade que ele, mais que qualquer outro cineasta, soube transformar em celulóide.

O DVD da Versátil tem estojo de luxo, som Dolby Digital 1.0 mono e imagens restauradas, o que valoriza a excelente fotografia em preto-e-branco de Gianni Di Vennanzo. Um bom documentário de 54 minutos (“Fellini – Um Auto-retrato”, com legendas em português) completa o pacote, junto com uma coleção de pôsteres, imagens, trailer e notas biográficas. Em tempo: o título da obra se refere ao número de filmes que Fellini realizara até então, contado na matemática peculiar do italiano – sete longas e três curtas metragens.

– Oito e Meio (8 ½, Itália/França, 1963)
Direção: Federico Fellini
Elenco: Marcelo Mastroianni, Claudia Cardinale, Ainou Aimée, Sandra Milo
Duração: 138 minutos

4 comentários em “Oito e Meio

  1. Gostei muito deste tópico.
    Vi 8 e meio. Como fruto de geração multimidiática não achei grande coisa o filme. Muitas das referências feitas no filme, bem como as “inovações” já havia visto em muitos outros filmes (mais recentes é claro).
    Mas ao ver a contextualização histórica posso perceber o gênio que foi Fellini. Realmente um inovador. Oito e meio realmente é uma obra-prima. Mas para chegar a essa conclusão deve-se ter um mínimo que contextualização histórica.
    Este artigo foi sucinto e direto ao ponto. Não ficou dando voltas com jargões cinematográficos e de que nada adiantam pra explicar o filme.
    Excelente artigo, nota 10.

    Curtir

  2. Rodrigo, da mesma forma que La Dolce Vita foi parodiado por Woody Allen em Celebridades, ví semelhanças na história de Oito e Meio com a de Desconstruindo Harry. Os personagens criados por Guido adentrando seu mundo particular; as tentativas de criação intelectual sendo frustradas a todo momento por questões conjugais e, acima de tudo, o final redentor com os personagens criados pelo cineasta (no caso de Woody, escritor. Ou será que a junção das duas profissões não soa como mais um sinal de homenagem de Allen a Fellini? Divago…) prestando uma espécie de reverência ao seu criador. O que você acha?

    Curtir

  3. Curioso que não me lembro de ter visto no Conversas com Woody Allen alguma referência a essa citação. Ou será que ví e não me lembro? Ok, já tenho um livro pra reler no fim de semana…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s