Pequenos Espiões 3D

[rating:3]

Cinema em terceira dimensão é coisa dos anos 1980, quando eu era menino. Portanto, só por ressuscitar uma tecnologia que parecia morta e enterrada, “Pequenos Espiões 3-D” (Spy Kids 3-D: Game Over, EUA, 2003) já merecia uma conferida com interesse. Mas o terceiro exemplar da franquia criada pelo cineasta texano Robert Rodriguez vai bem mais longe do que criar uma espécie de primeiro pobre da realidade virtual. É um filme que tem charme infantil, uma dose generosa de despretensão, proposta educativa e, para fechar com chave de ouro, uma penca de participações especiais surpreendentes.

Conte aí: além de recuperar a carreira em declínio do ex-astro Sylvester Stallone (no papel do vilão Toymaker), há passagens breves pela telona de George Clooney, Antonio Banderas, Steve Buscemi, Alan Cumming (o Noturno de “X-Men 2”), Bill Paxton, Salma Hayek – e isso só para citar o mais conhecidos. É claro que uma turma desse naipe não daria as caras numa longa infanto-juvenil, se a película em questão fosse uma das dezenas de caça-níqueis destinados a tirar dinheiro dos meninos durante as férias. “Pequenos Espiões 3-D” passa muito longe disso.

O cineasta Robert Rodriguez, na verdade, é o faz-tudo de plantão no filme. Ele não esconde de ninguém que bolou e pôs de pé a franquia de filmes para custear o estúdio digital que montou em casa. No bunker particular, Rodriguez escreve, dirige, produz, monta e faz a trilha sonora dos trabalhos que dirige, como o recente “Era Uma Vez no México”. Mas o cineasta tem um talento verdadeiro para dirigir crianças, além de muita criatividade. Imaginar um mundo hiper-colorido em que a violência de cartum e o figurino kitsch são as principais atrativos não foi uma tarefa complicada. Aqui, meninos possuem a habilidade dos agentes secretos mais poderosos, e os adultos não passam de figurantes. Bola dentro – é um filme de e para crianças. Só isso.

“Pequenos Espiões 3-D” tem um atrativo que o difere dos dois trabalhos anteriores da série: os óculos azuis e vermelhos. A tecnologia casa perfeitamente com o fiapo de enredo que movimenta a trama. Nela, June (Daryl Sabará) precisa resgatar a irmã Carmen (Alexa Vega), presa dentro de um jogo de realidade virtual por Toymaker (Stallone), um fabricante de brinquedos que deseja dominar o mundo. Simples assim. O filme é, literalmente, um jogo de videogame alucinado, que June precisa zerar para salvar a irmã. Dentro do jogo, a platéia acompanha o garoto com os óculos coloridos, pulando na cadeira.

Há um pequeno senão: tirando os 15 primeiros minutos e um pequeno trecho no final, são quase duas horas de projeção em que o público permanece com os óculos 3-D no rosto. A tecnologia é bacana – pura nostalgia para marmanjos que viram “Tubarão 3” no cinema, e novidade legal para guris – mas causa uma certa fadiga visual, depois de uma meia hora em que borboletas saem da tela para passear junto dos narizes do público e bolhas de sabão flutuam tão perto que um tapa pode estourá-las. Tudo ficaria mais eficiente se usado com mais discrição. Tirando isso, o filme é diversão desencanada para adultos e um passatempo fascinante para crianças. E a constelação hollywoodiana no final não é para qualquer filme.

– Pequenos Espiões 3-D (Spy Kids 3-D: Game Over, EUA, 2003)
Direção: Robert Rodriguez
Duração: 115 minutos
Elenco: Antonio Banderas, Carla Gugino, Alexa Vega, Daryl Sabara, Sylvester Stallone, Salma Hayek

Anúncios

10 comentários em “Pequenos Espiões 3D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s