Bebê de Rosemary, O

[rating:5]

Roman Polanski era considerado apenas um promissor cineasta polonês quando foi convidado para dirigir “O Bebê de Rosemary” (Rosemary’s Baby, EUA, 1968), nos Estados Unidos. Seria a primeira produção norte-americana de um diretor jovem, mas já muito respeitado na Europa. Polanski já havia mostrado que podia circular com desenvoltura por diversos gêneros, e todo mundo percebia que ele manipulava a linguagem cinematográfica muito bem.

No leme de “O Bebê de Rosemary”, Polanski gerou um dos mais assustadores filmes já produzidos, sem jamais assumir que estava dirigindo um longa-metragem de terror. Aliás, “O Bebê de Rosemary” funciona muito melhor sem que se espere dele uma trama de horror clássica, no estilo de “O Exorcista”, ou um suspense sobrenatural B tipo “A Profecia”. Quando o projeto foi gerado, através da mente do lendário diretor e produtor William Castle, esse era o objetivo principal do filme: matar as pessoas de medo.

Foi o produtor Robert Evans o responsável pela mudança de rumo de projeto. Ele colocou Polanski no filme e lhe deu liberdade total para fazer alterações no roteiro. O cineasta polonês tratou, então, de retirar os traços sobrenaturais da obviedade, envolvendo em dúvidas a história da mulher grávida que imagina estar sendo vítima de uma conspiração para dar à luz um filho do demônio. Para Polanski, o elemento sobrenatural não deveria ser explicitado, mas mergulhado em ambigüidade. Desse modo, a trama pareceria muito mais realista – e o medo gerado na platéia seria conseqüência natural.

Na verdade, Polanski estava fazendo um retorno a um tema que ele havia abordado anteriormente em “Repulsa ao Sexo” (1967): a confusão entre imaginação e realidade. Em “O Bebê de Rosemary”, o diretor jamais deixa claro se a desconfiança da protagonista quanto à conspiração satânica tem fundamento ou se tudo não passa de delírio causado pela ansiedade natural de uma mulher que vive uma gravidez extremamente complicada. O antológico final do longa-metragem, inclusive, permite ao espectador tirar suas próprias conclusões antes de responder a essa pergunta.

Para conseguir manter todo o clima de tensão, Polanski conta com uma ajuda valiosa: Mia Farrow, a atriz que interpreta Rosemary Woodhouse com absoluta perfeição. Frágil, delicada e à beira de um colapso nervoso, Farrow fornece o estofo necessário para mergulhar o filme na dúvida exigida por Polanski. Ou melhor, em várias dúvidas: o simpático casal de velhinhos seria, na verdade, uma dupla de bruxos? O marido da mulher, Guy (o renomado diretor John Cassavettes), teria feito um pacto com o diabo?

Perguntas como essas aparecem durante todo o filme e nunca são respondidas, permitindo ao diretor construir um crescente estado de tensão sem jamais trair a premissa de não revelar ao público a verdadeira natureza do mistério. Tudo isso conta ainda com o apoio de uma direção de arte excepcional, que explora o arquitetura gótica do velho edifício Dakota, em Nova Iorque, e de uma fotografia envolvente, cheia de sombras e tons pastéis. “O Bebê de Rosemary” é uma verdadeira aula de cinema, um daqueles filmes que encantam, ficam na cabeça durante anos e não envelhecem.

Em DVD nacional, o filme possui ainda um bom documentário de bastidores, que disseca os bastidores da produção e narra várias histórias saborosas. Robert Evans relembra como conseguiu impedir o estúdio (a Fox) de demitir Roman Polanski, por causa dos atrasos na produção, enquanto o diretor explica como conseguiu convencer Mia Farrow a continuar no filme mesmo depois que Frank Sinatra, então marido da atriz, exigiu que ela saísse do projeto – o que lhe custou, de fato, o divórcio.

– O Bebê de Rosemary (Rosemary’s Baby, EUA, 1968)
Direção: Roman Polanksi
Elenco: Mia Farrow, John Cassavettes, Ruth Gordon, Sidney Blackmer
Duração: 142 minutos

Anúncios

4 comentários em “Bebê de Rosemary, O

  1. pelo que eu li eu acho q antes de o polanski entrar ficaria melhor este filme, pois eu gosto mais de filmes de terror!!
    mas mesmo assim eu vou assistir!
    vamos ver como ficou né!

    Curtir

  2. Amo o Polanski e toda a sua obra desde Fáca na água, ainda no cinema Polonês. Não consigo me conter de alegria quando eu vejo textos como este, que exalta (com qualidade) as qualidades da obra-prima do diretor que (para mim) soube dirigir terror psicológico como nenhum outro. O filme é perfeito, as atuações são perfeitas, e sim! Até hoje me imagino como é a face do bebê que a Rosemary viu, que a causou tanto espanto?? É uma pena que mais uma vez, estão tentando interromper a carreira do Polanski. Mas eu acredito que ele é maior que isso.
    Rodrigo (xará). Gostaria que você criticasse O Inquilino, que é outro filme que eu amo do Polanski. Quem sabe, se houver alguma possibilidade?? Abraços.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s